Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Reynaldo-BH: Geraldo Alckmin não conseguiu honrar o legado de Covas

REYNALDO ROCHA Estou ficando velho. E não é o espelho ─ somente ─ que me diz. A pressa aliada ao tempo, que fica cada vez menor, me faz ter a urgência que me consome mais que o peso da idade. Valores que cultuei, pois sempre foram desde os filósofos pré-socráticos, hoje são meros empecilhos ao […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 06h59 - Publicado em 26 jan 2013, 13h08

REYNALDO ROCHA

Estou ficando velho. E não é o espelho ─ somente ─ que me diz.

A pressa aliada ao tempo, que fica cada vez menor, me faz ter a urgência que me consome mais que o peso da idade.

Valores que cultuei, pois sempre foram desde os filósofos pré-socráticos, hoje são meros empecilhos ao brilhantismo estratégico da classe política de meu país.

A injeção letal da canalhice lulopetista também foi aplicada em outros, que não combatem o bom combate, mas esperam a benesse decorrente da má escolha.

Ser de oposição ─ ou seja, oferecer outra visão ─ hoje é crime de lesa-majestade. Os covardes se ocultam em qualquer tese ou interpretação para poder exercer a vilania do perdão ao crime, na expectativa de ter algum retorno. Mesmo que criminoso.

O mesmo Alckmin que batizou uma ponte com o nome de Quércia, ignorando Covas, hoje apoia Henrique Alves.

A surpresa não está no apoio. Este era esperado em nome de algo que não entendemos, ou seja, fazer parte de uma mesa em que nem Judas ousaria sentar.

A explicação é que assusta. O que distingue o argumento matemático ─ e jamais ético ─ de outros com a mesma base de lógica? Ou de falta dela.

Este argumento absurdo de respeitar uma dita proporcionalidade como uma carta de alforria antecipada, pode também ser aplicado à proporcionalidade da eleição presidencial?

Continua após a publicidade

Desse modo, Alckmin aceita ignorar os ditos malfeitos em nome desta outra proporcionalidade? E esta, ao menos, com alguma legitimidade.

Não. Alckmin só aprendeu (ou sempre soube) jogar o jogo. Sujo. Que aceita a decomposição moral e ética do Congresso. E por analogia, de qualquer governo. Ambos foram eleitos.

Este é o represente de quem não está alinhado com o atual governo?

Este é o nome que se pretende como alternativa ao PT? Em que difere?

Excesso de pragmatismo ou consciência da insignificância histórica que reduzirá Alckmin a um político que surgiu a partir da morte de um verdadeiro líder nacional? E que não conseguiu honrar este legado.

Covas agiria deste modo?

Em um estado como São Paulo ─ sem bairrismos estéreis ─ é assustador constatar que Quércia, Haddad, Serra, Alckmin, Maluf, Paulinho da Força, Kassab e outros tantos tenham esquecido e traído Covas e Ulysses. E aos paulistas e brasileiros.

Resta FHC. Que sequer é ouvido. É uma pedra no sapato frouxo dos novos andarilhos dos atalhos que pés de petistas já pisaram.

Esta “realpolitik” tupiniquim nem mesmo faz jus à original. Naquela havia limites. Na de Alckmin, o limite é o ganho imediato derivado da falta de vergonha.

Quando se aceita a ignomínia como ação política, qualquer aliança ou resultado é defensável. O PT ensina isto todo dia.

Alckmin parece ter aprendido a lição.

A gente não vai esquecer. Nesta aula, fizemos questão de faltar.

Continua após a publicidade
Publicidade