Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Ficha que cai’, de Dora Kramer

Publicado no Estadão desta quinta-feira DORA KRAMER Não é só a presidente Dilma Rousseff que deu um banho de loja no temperamento quando percebeu que, irritação por irritação, a do País era bem maior que a dela em seu modo irascível de governar e com potencial de prejuízo bem maior sobre o projeto de poder […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 03h43 - Publicado em 5 jun 2014, 15h09

Publicado no Estadão desta quinta-feira

DORA KRAMER

Não é só a presidente Dilma Rousseff que deu um banho de loja no temperamento quando percebeu que, irritação por irritação, a do País era bem maior que a dela em seu modo irascível de governar e com potencial de prejuízo bem maior sobre o projeto de poder de seu grupo político.

Dilma amenizou, mas o PT também deu uma boa reduzida no tamanho do salto do sapato nos últimos tempos. Fruto do cenário adverso retratado sem retoques em reunião do alto comando da campanha da reeleição na última segunda-feira, no Palácio da Alvorada.

Segundo relatos, João Santana, o marqueteiro, informou que diminuiu a confiança do eleitor na capacidade de o governo representar o desejo de mudanças.

» Clique para continuar lendo

Continua após a publicidade
Publicidade