Clique e assine com até 92% de desconto
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

Quantos votos têm Ciro, Marina e Fernando Henrique?

Quem tem mais voto, tem mais poder

Por Alberto Carlos Almeida Atualizado em 9 jun 2020, 15h42 - Publicado em 9 jun 2020, 11h12

Está havendo uma grande agitação em torno da possibilidade de uma aliança política que una, além de Ciro, Marina e Fernando Henrique, outras figuras da política que não se alinham – no momento – com o governo Bolsonaro. Um recente evento midiático que colocou no mesmo debate os três políticos mencionados foi um importante impulso para aqueles que defendem esta união. Considero a iniciativa extremamente louvável, o que não impede de avaliar a força eleitoral de cada um deles.

Marina disputou três eleições presidenciais consecutivas, na primeira, em 2010, teve 19% de votos, na segunda ficou com 21% e em 2018 ela obteve apenas 1%. Isso significa que todos nós que não disputamos a última eleição presidencial tivemos apenas um ponto percentual de votos a menos do que Marina. Destaca-se também o fato de que a Rede, seu partido, elegeu somente um deputado federal, um número irrelevante quando se trata de uma casa legislativa com 513 deputados e que dá inicio e molda a elaboração, tramitação, votação e aprovação das leis no Brasil.

ASSINE VEJA

Os riscos da escalada de tensão política para a democracia Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família Weintraub
Clique e Assine

Fernando Henrique Cardoso teve desempenhos eleitorais brilhantes em 1994 e 1998, quando foi até hoje o único candidato a presidente que vencera as eleições em primeiro turno. Depois disso o seu partido jamais voltou ao poder em Brasília. Ao contrário de Lula que elegeu sua sucessora em 2010, ao tentar fazer isso Fernando Henrique e o candidato apoiado por ele, José Serra, amargaram uma derrota em segundo turno de 20 pontos percentuais de vantagem para o vencedor. Em 2018 o PSDB teve o seu pior resultado eleitoral, quando Alckmin teve cinco porcento de votos. A soma dele com Marina totaliza apenas seis porcento.

Ciro disputou as eleições de 1998, 2002 e 2018 quando teve respectivamente 11%, 12% e 12,5% de votos. Se ele continuar aumentando sua votação no mesmo ritmo daqui a uns 200 anos conseguirá ir ao segundo turno. Nas três eleições a sua votação no Ceará e no Nordeste também não se alterou. Isso indica que Ciro já é, para o bem e para o mal, um velho conhecido do eleitorado. Em função disso ele tem mais de 10% de votos, porém não cresce, sua rejeição é tão sólida quanto seus votos. Somando-se seus votos com os de Marina e de Fernando Henrique obtém-se 18,5%.

Em 2018 o candidato do PT cresceu em um mês. Diferentemente de Marina e de Ciro, aquela foi a primeira eleição nacional disputada por Haddad. O candidato apoiado por Lula conseguiu 29% de votos, o que o habilitou para disputar o segundo turno. Do ponto de vista eleitoral, um Haddad vale 10 pontos percentuais mais do que a soma de Ciro, Marina e Fernando Henrique.

Como nas democracias o mais votado é quem vence, talvez fosse o caso de considerar a força eleitoral de cada partido e líder político quando o objetivo é se opor a Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade