Clique e assine a partir de 9,90/mês
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

Celso de Mello não jogou xadrez, jogou damas

Juiz do STF não deveria fazer política

Por Alberto Carlos Almeida - 23 maio 2020, 10h03

O Ministro do Supremo Tribunal federal (STF), Celso de Mello, andou fazendo movimentos mais de jogador de damas, que só vai para frente, do que de jogador de xadrez, que pode avançar, recuar e se movimentar para os lados. Ao requisitar o depoimento dos ministros generais ele escreveu na petição que o depoimento seria dado mesmo que “debaixo de vara”. Além disso, ele liberou o vídeo da reunião ministerial mais por motivos políticos, do que por razões jurídicas.

Meu ponto é que os ministros do STF precisam fazer menos política e serem mais técnicos, para o bem de nosso país. Poderia estar aqui defendendo a posição fácil: “tem mesmo é que liberar o vídeo para desmoralizar o governo”. De jeito nenhum, o vídeo da reunião é a prova de uma investigação, é considerando isso que um jurista deve avaliar se divulga ou não. Não foi o que ele fez.

O dia seguinte da liberação do vídeo está sendo marcado pela utilização das falas de ministros e do Presidente como prova de que o governo é inepto e desqualificado, e poucos abordam a interferência na Polícia Federal que está sendo investigada. Todos já sabíamos como é o governo, neste aspecto não há novidade alguma. Assim, é forçoso admitir que o único motivo para liberar o vídeo em sua quase integralidade foi o de desgastar o governo. Juiz do STF não deveria fazer política.

Publicidade