Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

Brasileiros querem se vacinar em massa, e isso é ruim para Bolsonaro

Uma pesquisa mundial realizada em 28 países mostra que nós só perdemos para os indianos no desejo de se imunizar

Por Alberto Carlos Almeida Atualizado em 21 jan 2021, 13h06 - Publicado em 21 jan 2021, 12h58

A empresa de comunicação Edelman acaba de publicar dados revelando que 76% dos brasileiros querem se vacinar. Na França, esta mesma proporção é de somente 52% e no Japão, de 54%. No Brasil, nada menos do que 48% afirmam que querem se vacinar contra o coronavírus o mais cedo possível, ou seja, tão logo possam ter acesso à vacina.

Dentre 28 países pesquisados, o Brasil só perde para a Índia, onde 80% desejam se vacinar e 51% dizem que irão fazê-lo o mais rápido possível.

Esta imensa adesão dos brasileiros à vacinação é muito ruim para a imagem de Bolsonaro e de seu governo. Ela indica várias coisas. Em primeiro lugar que os brasileiros estão acompanhando tudo o que diz respeito à vacina, incluindo os movimentos do presidente da República. E, em segundo lugar, quanto maior o desejo de se vacinar, maiores as chances de que Bolsonaro passe a ser mal avaliado por conta de atrasos, interrupções da campanha de imunização, sumiço de lotes e pessoas furando a fila. Está todo mundo de olho!

Os seis países cujas populações mais querem se vacinar são Índia, Brasil, México, China, Tailândia e Colômbia. Por outro lado, os seis cujos habitantes mais resistem à imunização contra a Covid-19 são Rússia, África do Sul, França, Japão e Espanha. Em sétimo lugar estão os Países Baixos. Ou seja, ao menos diante dos dados desta pesquisa, quanto maior a renda per capita de uma população, mais disseminada é a resistência a se vacinar. Ou seja, o discurso e as ações de Bolsonaro quanto à campanha de vacinação funcionariam melhor nestes locais do que em um país quebrado como o Brasil.

Continua após a publicidade
Publicidade