Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Alberto Carlos Almeida Por Coluna Opinião política baseada em fatos

Alberto Fernández critica a justiça argentina em seu discurso de posse

"Quando a política entra nos tribunais, a justiça escapa pelas janelas"

Por Alberto Carlos Almeida - Atualizado em 10 dez 2019, 19h04 - Publicado em 10 dez 2019, 18h57

Discursos de posse são grandes atos simbólicos. Os dois momentos que motivaram os aplausos mais longos e entusiasmados do discurso de posse de Alberto Fernández foi quando ele tratou da politização da justiça argentina e da situação das mulheres argentinas. A partir do trigésimo sexto minuto de seu discurso de pouco mais de uma hora, Fernández, que foi professor de direito, criticou duramente a corporação de juízes que se unem aos poderosos da política a fim de perseguir seus adversários.

Ele falou de maneira crítica do Poder Judiciário por mais de três minutos, mencionou “perseguições indevidas e prisões arbitrárias induzidas por quem nos governam e silenciada por carta complacência midiática”. Ele defendeu um contundente nunca mais, “nunca mais a uma justiça contaminada por operadores judiciais, por procedimentos obscuros e por linchamentos midiáticos”. Qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência. Mas vale aqui dizer que a grande diferença é que lá, o Presidente se opõe a isso, ao passo que no Brasil o Presidente se aliou a quem promoveu tais procedimentos.

Publicidade