Clique e assine a partir de 9,90/mês
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

A doce ilusão de Crivella

O prefeito do Rio dificilmente será beneficiado pela busca e apreensão que atingiu Eduardo Paes

Por Alberto Carlos Almeida - Atualizado em 16 set 2020, 16h15 - Publicado em 9 set 2020, 12h25

É comum e compreensível que muitas pessoas no mundo político acreditem em mágica. Uma delas é a crença de que um governante muito mal avaliado tem grandes chances de ser reeleito pelo simples fato de controlar a máquina pública. Este é o caso de Crivella e de seus seguidores mais animados. A operação de busca e apreensão levada a cabo contra Eduardo Paes reforça este apego ao (quase) impossível.

O prefeito do Rio de Janeiro tem hoje não mais do que 20% de ótimo e bom. Se ele for reeleito será o primeiro caso de alguém que venha a alcançar este feito com uma avaliação de governo tão ruim. Sempre pode acontecer. Porém, o mais provável é que Crivella seja derrotado, se não já no primeiro turno, não passando para a rodada final da eleição, certamente no dia 29 de novembro.

ASSINE VEJA

Os riscos do auxílio emergencial Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com Queiroz
Clique e Assine

Diante deste cenário, é curioso que as ações contra Eduardo Paes sejam interpretadas como uma tentativa de possibilitar a vitória de Crivella. Só haveria hoje um caminho para isso, o seu governo à frente da prefeitura do Rio de Janeiro passar a ser bem avaliado. Em geral isso não ocorre, pois falta pouco tempo para a eleição e uma avaliação tão ruim como a que ele tem hoje foi obra de vários anos de incapacidade administrativa.

Na realidade, se alguém for beneficiado pela investida da Justiça e do Ministério Público contra Eduardo Paes não será Crivella, mas sim outro candidato que represente renovação. Mesmo essa hipótese pode acabar não ocorrendo. O eleitorado do Rio de Janeiro fez isso em 2018 ao votar em Witzel e agora ele está envolvido em escabrosos escândalos de corrupção e bem próximo de perder o mandato. A vacina contra o novo no Rio de Janeiro foi desenvolvida com muita rapidez.

Eduardo Paes continua sendo o favorito para ser eleito prefeito da capital fluminense. O episódio de hoje pode vir a ser um tiro pela culatra, basta que Paes relembre a eleição do “puro e honesto” Witzel em 2018 e complete dizendo que votar em qualquer novidade seria um erro. Quanto a Crivella, ele não precisa se preocupar, o prefeito já é suficientemente rejeitado para não ameaçá-lo.

Continua após a publicidade
Publicidade