Clique e assine a partir de 8,90/mês
Alberto Carlos Almeida Por Alberto Carlos Almeida Opinião política baseada em fatos

A antipolítica não sabe matemática e segue Bolsonaro

E depois as pessoas reclamam quando uma senhora diz ao presidente que a cura do Covid-19 está no consumo de alho cru

Por Alberto Carlos Almeida - Atualizado em 9 jun 2020, 20h43 - Publicado em 9 jun 2020, 16h57

O deputado Rodrigo Maia costuma dar entrevistas rápidas quando chega à Câmara dos Deputados. Hoje uma pessoa do mundo jornalístico perguntou a ele se não seria possível prorrogar o auxílio emergencial por mais dois meses a partir do corte de salário dos parlamentares. O auxílio emergencial custa R$ 50 bilhões por mês, já o gasto de pessoal da Câmara é R$ 200 milhões por ano.

A ânsia em emparedar políticos supostamente corruptos, muito bem remunerados e que não pensam no bem-estar da população é tão grande, que ela impede as pessoas de buscarem informações mínimas antes de fazer uma pergunta das mais simples.

ASSINE VEJA

Os riscos da escalada de tensão política para a democracia Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família Weintraub
Clique e Assine

A antipolítica entra de maneira avassaladora nas mentes de pessoas até bem intencionadas sem que elas percebam. Esta pergunta feita ao presidente da Câmara seguiu uma sugestão de Bolsonaro, o presidente mais anti-política que tivemos até hoje, e certamente refratário a considerar os fatos do mundo real.

Diante deste episódio é preciso admitir que não é lá muito escandaloso saber que a cura da Covid-19 pode eventualmente estar no alho cru. O mesmo povo que acredita em coisas assim também acha que a folha salarial da Câmara pode pagar o auxílio emergencial.

Continua após a publicidade
Publicidade