Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Cam’ (Netflix): seria um dos melhores episódios de Black Mirror

Alucinante, envolvente e, mais do que tudo isso, um filme que nos provoca a pensar sobre quem somos na internet

Se David Lynch rejuvenescesse e resolvesse escrever um filme sobre internet, resultaria em “Cam“, a novidade da programação da Netflix. O roteiro, escrito pela ex-camgirl (aos desconectados: garotas que se exibem em lives em troca de pagamentos, normalmente em bitcoins) Isa Mazzei, é algo como se “Mulholland Drive” (“Cidades dos Sonhos”) fosse ambientada no glamour do Pornhub, em vez de em Hollywood.

A narrativa beira ao surrealismo. Porém, se não perder o fio da meada, tudo faz sentido. Trata-se de uma camgirl (interpretada pela ótima Madeline Brewer, a Janine de “The Handmaid’s Tale“) que, num belo dia, vê-se trocada por uma cópia de si, um dopplegänger, no site pornô no qual trabalha e fatura. Com o tempo, descobre-se que se trata de um cenário bem mais no estilo de “Cidades dos Sonhos” de Lynch.

A identidade real e a virtual da moça se confundem, como as nossas por vezes se misturam na vida para valer. Troque a camgirl por um usuário assíduo de Facebook, Instagram, Twitter ou YouTube, e a loucura na qual entra a protagonista se torna não só palatável, como verossímil, bem parte da vida contemporânea.

Reflete-se sobre a obsessão por seguir e ser seguido no mundo de redes sociais. Acerca de demonstrar felicidade e realização, a qualquer custo, em tuítes, instas, lives. Do vício em ver os outros e se mostrar para os outros. Da dependência crescente de gadgets de todos os tipos; smartphones, tablets e o que mais se inventar daqui para frente. De como a intensa rotina online nos faz esquecer das responsabilidades off-line. E, principalmente, de como a somatória disso tudo nos leva a traumas, depressões e a, muitas vezes, destruir relacionamentos reais com familiares e amigos.

“Cam” é uma aventura cheia de revelações e reviravoltas. Seria fácil soltar spoilers. Por isso, não darei mais detalhes do roteiro, em si, para não estragar o prazer de ser instigado.

Adianto, no entanto, que o fim cai como uma enorme provocação. É um daqueles filmes com os quais temos pesadelos diurnos. A história persegue. Àqueles que gostam de não apenas se divertir com o que se vê na black mirror da TV ou do computador, o aviso: pode ser que se lembre das desventuras da camgirl sempre que se notar por tempo demais no Facebook; compartilhando nudes ou fake news no WhatsApp; pulando de vídeo para vídeo no YouTube; ou mesmo ao acessar o Pornhub.

****
A comparação do título, com Black Mirror, tem motivo. Para quem viu a série, será natural lembrar dos episódios mais memoráveis, das primeiras três temporadas, como o celebrado “Nosedive” (primeiro da terceira temporada).

Assim como, com “Cam”, resgata-se a força da retomada da ficção científica nestes anos de 2010 – que havia dado uns passos para trás com a última temporada do mesmo “Black Mirror” (tanto que a indústria hollywoodiana, incluindo aí o Netflix, estava mais apostando no “terror” como a linguagem para a década de 2020).

Acompanhe este blog no Twitter, no Facebook e no Instagram.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s