Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

A primeira onda de calor a ser nomeada no mundo

Formuladores de políticas públicas e ambientalistas pedem que governos adotem novas medidas para conscientizar a população sobre os riscos do calor extremo

Por Jennifer Ann Thomas Atualizado em 5 ago 2022, 16h17 - Publicado em 27 jul 2022, 17h49

No sul da Espanha, a cidade de Sevilha enfrenta a quarta onda de calor que marcou o verão europeu. Porém, o fenômeno que atinge a região atualmente tem um significado diferente: a onda foi batizada de Zoe, tornando-se a primeira do mundo a ser nomeada. No mês passado, a gestão municipal lançou um programa-piloto para monitorar as ondas de calor e que colocará em prática um sistema para nomear e ranquear os fenômenos da mesma maneira como acontece com furacões.

Além de Zoe, outros quatro nomes foram definidos: Yago, Xenia, Wenceslao e Vega, seguindo a ordem alfabética invertida. Na última semana, a temperatura ultrapassou os 43ºC e apenas as ondas de calor mais severas receberão nomes dentro do sistema de classificação do novo programa.

Ao mesmo tempo em que a iniciativa responde a uma demanda de grupos que defendem que ondas de calor devem receber a mesma atenção de furacões e tornados, por exemplo, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) afirmou em nota que não tem planos para criar um sistema oficial para dar nomes a este tipo de evento climático.

De acordo com o órgão, “atualmente, não há nenhum sistema ou protocolo internacional acordado para nomear ou coordenar a nomeação de eventos de ondas de calor”. Ainda, a instituição fez um alerta: “o que foi estabelecido para eventos de ciclones tropicais pode não necessariamente se traduzir facilmente em ondas de calor. Deve-se ter cuidado ao comparar ou aplicar lições ou protocolos de um tipo de perigo para outro, devido às diferenças importantes na natureza física e nos impactos de tempestades e ondas de calor”.

Há uma discussão para implementar o mesmo tipo de sistema na Califórnia, nos Estados Unidos. O argumento de formuladores de políticas públicas e ambientalistas é que essa pode ser uma forma de atrair a atenção do público para os problemas que são causados por ondas de calor.

Segundo a Fundação Arsht-Rock, considerar os impactos perigosos do clima na saúde, categorizar a gravidade dos eventos climáticos e nomear os piores eventos aumenta a probabilidade de as pessoas tomarem as medidas necessárias para se preparar e se proteger.

A instituição fez parte do desenvolvimento do projeto-piloto de Sevilha. Para a vice-presidente sênior e diretora do Centro de Resiliência da Fundação Arsht-Rock, Kathy Baughman McLeod, a iniciativa é um esforço coletivo para salvar vidas. “Esperamos que este piloto sirva de modelo para outros líderes e governos enquanto enfrentam pressão para enfrentar essa ameaça mortal. As pessoas não precisam morrer por causa do calor”, disse.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)