Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Reino Unido bate recorde de temperatura a 40ºC (e situação pode piorar)

O Meteorological Office alertou, contudo, que as temperaturas desta terça-feira devem subir ainda mais, e alguns locais podem atingir até 42°C mais tarde

Por Amanda Péchy Atualizado em 19 jul 2022, 20h19 - Publicado em 19 jul 2022, 08h40

O Reino Unido teve seu dia mais quente já registrado nesta terça-feira, 19, com a temperatura chegando a 40,2°C, de acordo com dados provisórios do Meteorological Office. A temperatura extrema ultrapassa o recorde anterior de 38,7°C, estabelecido em Cambridge em 2019.

O Meteorological Office alertou, contudo, que as temperaturas desta terça-feira devem subir ainda mais, e alguns locais podem atingir até 42°C mais tarde. A Escócia também deve registrar um recorde de 32,9°C.

O Meteorological Office emitiu um alerta vermelho de calor extremo cobrindo grande parte do centro, norte e sudeste da Inglaterra.

A Transport for London (TfL), que aconselhou as pessoas a usarem o serviço de transporte “apenas se for essencial”, disse que houve uma queda de 30% nas viagens em comparação com o mesmo período da terça-feira passada.

O secretário de Transportes, Grant Shapps, disse que a rede ferroviária do Reino Unido não pode lidar com o calor extremo, acrescentando que levaria “muitos anos” antes que as atualizações significassem que os serviços poderiam lidar com o clima mais quente.

“A resposta simples é não, a rede não pode lidar com o calor agora”, disse ele à emissora britânica BBC. “No calor de 40°C, os trilhos podem chegar a 50°C, 60°C e até 70°C, e há um grave perigo de flambagem dos trilhos e um terrível descarrilamento.”

À medida que as temperaturas aumentam rapidamente na terça-feira, respostas de emergência foram emitidas em todo o Reino Unido. Um homem morreu após ser retirado do mar na Ilha de Wight, acredita-se que pelo menos outras quatro pessoas tenham se afogado depois de tentar escapar do calor em rios e lagos, a Suprema Corte mudou as audiências para o on-line, enquanto o Museu Britânico confirmou que fecharia cedo, às 15h.

+ ONU: Humanidade enfrenta ‘suicídio coletivo’ devido à crise climática

Continua após a publicidade

O Serviço de Ambulâncias de Londres disse que atendeu 6.600 chamadas na segunda-feira 18 relacionadas à onda de calor, experimentando um pico de 300 chamadas às 23h.

Na segunda-feira, várias escolas fecharam, apesar do conselho do governo contra isso, embora um sindicato de professores tenha dito que a maioria das escolas permaneceu aberta.

As empresas de água no sul e leste da Inglaterra alertaram que o aumento da demanda está levando à queda na pressão – e até mesmo à interrupção do fornecimento – para algumas famílias.

As ondas de calor estão se tornando mais prováveis ​​e mais extremas por causa das mudanças climáticas provocadas pela atividade humana. O mundo já aqueceu cerca de 1,1°C desde o início da era industrial, e as temperaturas continuarão subindo, a menos que os governos de todo o mundo façam cortes acentuados nas emissões de gases do efeito estufa.

+ França enfrentará ‘apocalipse de calor’, dizem especialistas

Este é o período mais quente em 125.000 anos, de acordo com o órgão de ciência climática da ONU, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

Grande parte da Europa e do norte da África também está enfrentando calor extremo com incêndios florestais na França, Espanha, Portugal, Grécia e Marrocos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)