Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mudança do clima está no topo de ranking sobre riscos globais

Publicação do Fórum Econômico Mundial tem as três principais ameaças dos próximos dez anos relacionadas ao clima

Por Jennifer Ann Thomas 12 jan 2022, 18h18

A primeira quinzena de janeiro ainda não chegou ao fim e desastres relacionados ao clima já causaram mortes, destruição de casas e levaram o poder público a decretar estado de emergência em mais de uma centena de cidades no Brasil. Na mais recente edição do Global Risks Report, realizado anualmente pelo Fórum Econômico Mundial, as três principais ameaças para os próximos dez anos estão relacionadas à mudança do clima.

Ano a ano, a publicação compila percepções sobre riscos globais entre especialistas da área e líderes mundiais em negócios, governo e sociedade civil. Os riscos são divididos em cinco categorias: econômico, ambiental, geopolítico, social e tecnológico.

Em primeiro lugar na pesquisa, ao considerar o período de uma década, o maior motivo de preocupação é com o cenário em que a sociedade terá falhado em adotar ações para conter a crise do clima. Na sequência, o clima extremo figura em segundo lugar, enquanto a perda de biodiversidade ocupa a terceira posição do ranking. O relatório também apontou que menos de 16% daqueles que participaram de uma pesquisa de percepção se mostraram “otimistas” sobre o panorama global.

Segundo o documento, economias em desenvolvimento (com exceção da China) verão seus PIBs caírem 5,5% abaixo do crescimento esperando em comparação com o PIB pré-pandemia. Os países desenvolvidos terão um crescimento de 0,9%. A diferença entre os ricos e os pobres terá impactos na forma de lidar com os desafios em comum, como a mudança do clima. Outras áreas que exigem esforços globais são a segurança digital, restaurar os meios de subsistência e a coesão social e gerenciar a concorrência no espaço.

Além disso, a publicação destacou que “a crescente insegurança nas formas de dificuldades econômicas, o agravamento dos impactos das mudanças climáticas e a perseguição política forçarão milhões a deixar suas casas em busca de um futuro melhor”. Contudo, como efeito da pandemia e de crises políticas e econômicas, há mais barreiras que podem dificultar o acesso a oportunidades de moradia e trabalho.

De acordo com a diretora administrativa do Fórum Econômico Mundial, Saadia Zahidi, “o aumento das disparidades dentro e entre os países não apenas tornará mais difícil controlar a covid-19 e suas variantes, mas também arriscará paralisar, se não reverter, ações conjuntas contra ameaças compartilhadas que o mundo não pode ignorar”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês