Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Degradação do solo ameaça quase metade do PIB global, mostra estudo da ONU

Novo relatório levou cinco anos para ser concluído e mostrou que até 40% da área terrestre está degradada

Por Jennifer Ann Thomas 27 abr 2022, 16h59

Um novo relatório elaborado pela Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD, na sigla em inglês) trouxe dados alarmantes sobre a extensão da degradação no planeta. De acordo com a publicação, até 40% da área terrestre está degradada, o que impacta diretamente em metade da humanidade.

Foram cinco anos de trabalho para a publicação do relatório Global Land Outlook 2 (GLO2), com 21 organizações parceiras e mais de 1.000 referências. O documento é a mais abrangente consolidação de informações sobre o tema.

Entre os principais dados, cerca de 44 trilhões de dólares – aproximadamente metade da produção econômica anual do mundo – estão em risco pela perda de capital natural finito e de serviços da natureza, que sustentam a saúde humana e ambiental ao regular o clima, a produção de água, as doenças, as pragas, os resíduos e a poluição do ar, enquanto fornece outros benefícios, como recreação e vantagens culturais.

Atualmente, diferentes governos mantêm a promessa de restaurar 1 bilhão de hectares degradados até 2030, o que terá o custo de 1,6 trilhão de dólares nessa década. Os subsídios para combustíveis fósseis e para a agricultura chegam a 700 bilhões de dólares anuais.

Segundo o secretário-executivo da UNCCD, Ibrahim Thiaw, “a agricultura moderna alterou a face do planeta mais do que qualquer outra atividade humana. Precisamos repensar urgentemente nossos sistemas alimentares globais, que são responsáveis por 80% do desmatamento, 70% do uso de água doce e a maior causa de perda de biodiversidade terrestre”.

Continua após a publicidade

Conforme os preços de alimentos continuam a subir por questões climáticas e outras mudanças no planeta – a exemplo do que está acontecendo no Brasil com o encarecimento de frutas, verduras e legumes –, será preciso conservar, restaurar e usar a terra de forma sustentável.

De acordo com a publicação, “em nenhum outro ponto da história moderna a humanidade enfrentou uma série de riscos e perigos familiares e desconhecidos, interagindo em um mundo hiperconectado e em rápida mudança. Não podemos nos dar ao luxo de subestimar a escala e o impacto dessas ameaças existenciais”.

O relatório mostrou algumas projeções até 2050 em três cenários: o business as usual, o de restauração de 5 bilhões de hectares e de restauração e proteção, quando medidas extras são colocadas em prática para proteger a biodiversidade, a regulação da água, a conservação de estoques de carbono, entre outros.

Business as usual:

  • 16 milhões de quilômetros quadrados mostram degradação contínua da terra (o tamanho da América do Sul);
  • Um declínio persistente e de longo prazo na produtividade vegetativa é observado em 12-14% das terras agrícolas, pastagens e pastagens e áreas naturais – com a África Subsaariana mais afetada;
  • Mais 69 gigatoneladas de carbono são emitidas de 2015 a 2050 devido à mudança no uso da terra e degradação do solo. Isso representa 17% das emissões anuais atuais de gases de efeito estufa: carbono orgânico do solo (32 gigatoneladas), vegetação (27 gigatoneladas), degradação/conversão de turfeiras (10 gigatoneladas).

Restauração:

  • Os rendimentos das colheitas aumentam em 5-10% na maioria dos países em desenvolvimento em comparação com a linha de base. A melhoria da saúde do solo leva a maiores rendimentos das colheitas, com os maiores ganhos no Oriente Médio e Norte da África, América Latina e África Subsaariana, limitando os aumentos dos preços dos alimentos;
  • A capacidade de retenção de água do solo aumentaria em 4% em terras irrigadas por chuvas;
  • Os estoques de carbono aumentam 17 gigatoneladas líquidas entre 2015 e 2050 devido a ganhos de carbono no solo e redução de emissões;
  • A biodiversidade continua a diminuir, mas não tão rapidamente, com 11% da perda de biodiversidade evitada;

Restauração e proteção:

  • Mais 4 milhões de quilômetros quadrados de áreas naturais (tamanho da Índia e do Paquistão); maiores ganhos esperados no sul e sudeste da Ásia e na América Latina. As proteções impediriam a degradação da terra por extração de madeira, queima, drenagem ou conversão;
  • Cerca de um terço da perda de biodiversidade projetada na linha de base seria evitada;
  • Mais 83 gigatoneladas de carbono são armazenadas em comparação com a linha de base. A emissão evitada e o aumento do armazenamento de carbono seriam equivalentes a mais de sete anos do total de emissões globais atuais.
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês