Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Degradação do solo ameaça quase metade do PIB global, mostra estudo da ONU

Novo relatório levou cinco anos para ser concluído e mostrou que até 40% da área terrestre está degradada

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
27 abr 2022, 16h59

Um novo relatório elaborado pela Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD, na sigla em inglês) trouxe dados alarmantes sobre a extensão da degradação no planeta. De acordo com a publicação, até 40% da área terrestre está degradada, o que impacta diretamente em metade da humanidade.

Foram cinco anos de trabalho para a publicação do relatório Global Land Outlook 2 (GLO2), com 21 organizações parceiras e mais de 1.000 referências. O documento é a mais abrangente consolidação de informações sobre o tema.

Entre os principais dados, cerca de 44 trilhões de dólares – aproximadamente metade da produção econômica anual do mundo – estão em risco pela perda de capital natural finito e de serviços da natureza, que sustentam a saúde humana e ambiental ao regular o clima, a produção de água, as doenças, as pragas, os resíduos e a poluição do ar, enquanto fornece outros benefícios, como recreação e vantagens culturais.

Atualmente, diferentes governos mantêm a promessa de restaurar 1 bilhão de hectares degradados até 2030, o que terá o custo de 1,6 trilhão de dólares nessa década. Os subsídios para combustíveis fósseis e para a agricultura chegam a 700 bilhões de dólares anuais.

Continua após a publicidade

Segundo o secretário-executivo da UNCCD, Ibrahim Thiaw, “a agricultura moderna alterou a face do planeta mais do que qualquer outra atividade humana. Precisamos repensar urgentemente nossos sistemas alimentares globais, que são responsáveis por 80% do desmatamento, 70% do uso de água doce e a maior causa de perda de biodiversidade terrestre”.

Conforme os preços de alimentos continuam a subir por questões climáticas e outras mudanças no planeta – a exemplo do que está acontecendo no Brasil com o encarecimento de frutas, verduras e legumes –, será preciso conservar, restaurar e usar a terra de forma sustentável.

De acordo com a publicação, “em nenhum outro ponto da história moderna a humanidade enfrentou uma série de riscos e perigos familiares e desconhecidos, interagindo em um mundo hiperconectado e em rápida mudança. Não podemos nos dar ao luxo de subestimar a escala e o impacto dessas ameaças existenciais”.

Continua após a publicidade

O relatório mostrou algumas projeções até 2050 em três cenários: o business as usual, o de restauração de 5 bilhões de hectares e de restauração e proteção, quando medidas extras são colocadas em prática para proteger a biodiversidade, a regulação da água, a conservação de estoques de carbono, entre outros.

Business as usual:

  • 16 milhões de quilômetros quadrados mostram degradação contínua da terra (o tamanho da América do Sul);
  • Um declínio persistente e de longo prazo na produtividade vegetativa é observado em 12-14% das terras agrícolas, pastagens e pastagens e áreas naturais – com a África Subsaariana mais afetada;
  • Mais 69 gigatoneladas de carbono são emitidas de 2015 a 2050 devido à mudança no uso da terra e degradação do solo. Isso representa 17% das emissões anuais atuais de gases de efeito estufa: carbono orgânico do solo (32 gigatoneladas), vegetação (27 gigatoneladas), degradação/conversão de turfeiras (10 gigatoneladas).

Restauração:

  • Os rendimentos das colheitas aumentam em 5-10% na maioria dos países em desenvolvimento em comparação com a linha de base. A melhoria da saúde do solo leva a maiores rendimentos das colheitas, com os maiores ganhos no Oriente Médio e Norte da África, América Latina e África Subsaariana, limitando os aumentos dos preços dos alimentos;
  • A capacidade de retenção de água do solo aumentaria em 4% em terras irrigadas por chuvas;
  • Os estoques de carbono aumentam 17 gigatoneladas líquidas entre 2015 e 2050 devido a ganhos de carbono no solo e redução de emissões;
  • A biodiversidade continua a diminuir, mas não tão rapidamente, com 11% da perda de biodiversidade evitada;

Restauração e proteção:

  • Mais 4 milhões de quilômetros quadrados de áreas naturais (tamanho da Índia e do Paquistão); maiores ganhos esperados no sul e sudeste da Ásia e na América Latina. As proteções impediriam a degradação da terra por extração de madeira, queima, drenagem ou conversão;
  • Cerca de um terço da perda de biodiversidade projetada na linha de base seria evitada;
  • Mais 83 gigatoneladas de carbono são armazenadas em comparação com a linha de base. A emissão evitada e o aumento do armazenamento de carbono seriam equivalentes a mais de sete anos do total de emissões globais atuais.
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.