Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Crise ambiental definirá como viveremos no futuro, diz ex-ministra

Em evento realizado no Instituto Inhotim, Izabella Teixeira falou sobre a presença do Brasil na COP26, em Glasgow

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 8 dez 2021, 17h22

O Instituto Inhotim, maior museu a céu aberto do mundo, sediou na terça-feira, 7, o evento Inhotim ESG Summit para debater questões de impacto social, ambiental e econômico nos setores público e privado. Durante um dos painéis, a ex-ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que foi a chefe da delegação brasileira na negociação do Acordo de Paris, na COP21, afirmou que o mundo perdeu o interesse no Brasil dentro da agenda ambiental.

A avaliação da ex-ministra levou em consideração o contexto da COP26, que aconteceu durante a primeira quinzena de novembro em Glasgow, na Escócia. “O Brasil sempre teve o soft power, mas hoje não tem mais”, disse Teixeira. Para ela, o retrocesso político nas questões ambientais terá consequências no curto e no médio prazo. “A diplomacia toma nota. O Brasil pode esquecer [do que vem fazendo na área ambiental], mas o mundo não esquece. Essa situação será usada em outros momentos contra os interesses do Brasil”, afirmou.

Por mais que as discussões sobre o Artigo 6, que regula o mercado global de carbono, tenham chamado mais atenção durante a COP26, Teixeira defendeu que a verdadeira chave do Acordo de Paris está no Artigo 4, que fala sobre ambição. “Precisamos discutir mitigação e adaptação com o objetivo de alcançar resiliência. É preciso pensar em como construir soluções de desenvolvimento”, disse.

De acordo com ela, as negociações em Glasgow foram importantes para resolver o chamado livro de regras do Acordo de Paris e o resultado das duas semanas, o Pacote de Glasgow, colocou o ponto de partida para dar início à implementação e partir para a ação. Segundo a ex-ministra, a pandemia de coronavírus mostrou à sociedade o que é uma crise capaz de paralisar o mundo. “Frente à crise climática, a covid-19 foi um spoiler. As incertezas e vulnerabilidades da crise ambiental neste século definirão como viveremos”, afirmou.

Continua após a publicidade

Ao fazer um balanço sobre a COP26, Teixeira afirmou que Glasgow trouxe três pontos principais. O primeiro deles foi o movimento das ruas, que impacta no universo corporativo, pois os executivos e CEOs estão cada vez mais atentos para mostrarem que os seus produtos não estão atrelados ao desmatamento da Amazônia ou do Cerrado. 

O segundo ponto é que a questão do uso da terra ganhou evidência. “Antes estávamos centrados na energia, como deveria ser, e agora entrou a agenda de uso da terra, que veio para ficar. O agro terá que evoluir, ser de baixo carbono e sustentável”, disse.

Por fim, a ex-ministra destacou a questão das florestas. Na COP26, foi anunciado um acordo assinado por 120 países com o objetivo de zerar o desmatamento até 2030. “Há uma estratégia enorme de proteção relacionada a direitos humanos”, afirmou. Enquanto a destruição da floresta continua a aumentar no Brasil, o recado na COP26 foi claro: é preciso acabar com o desmatamento. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.