BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Continua após publicidade

A luta de Carlos Nobre para criar o ‘MIT da Amazônia’

Reconhecido mundialmente, climatologista brasileiro planeja trazer ciência de ponta para fortalecer a bioeconomia

Por Ernesto Neves
Atualizado em 8 ago 2023, 12h39 - Publicado em 8 ago 2023, 10h01

Referência internacional quando o assunto é a Amazônia, o cientista Carlos Nobre, 72, desembarcou em Belém nesta semana para participar da primeira cúpula de chefes de Estado sobre a floresta.

Depois de acompanhar a escalada de destruição durante os anos de Jair Bolsonaro, Nobre está otimista. “Pela primeira vez, todos os chefes de Estado da região estão mobilizados para procurar saídas para a floresta”, diz. “A cúpula vai unificar esforços na direção do desmatamento zero, do combate ao crime e da bioeconomia. Nunca houve tanto esforço pela preservação, o que me deixa muito otimista.” 

Nobre acompanha há décadas a situação da maior selva tropical do planeta. Há 30 anos, por exemplo, foi o primeiro cientista a advertir sobre os riscos de empurrarmos a Amazônia para uma situação de não retorno. Isto é, desmatar a floresta a ponto de alterar o clima local, tornando-o mais seco. Esse desequilíbrio terminaria por destruir a exuberante vegetação tropical. “O resultado desse processo é o que se chama de savanização”, afirma.

Nobre aproveita a Cúpula da Amazônia para pôr de pé sua empreitada mais ambiciosa. Em 2022, ele iniciou estudos para criar o Instituto de Tecnologia da Amazônia (ou AmIT, na sigla em inglês). Trata-se de uma instituição de ponta, nos moldes do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, onde o cientista fez seu doutorado. “Será uma instituição pan-amazônica, isto é, com centros no Brasil e nos demais países que partilham a floresta. E será capaz de produzir ciência de altíssima tecnologia, seguindo os padrões das melhores universidades do globo”, entusiasma-se.

+ Conheça três negócios da bilionária bioeconomia da Amazônia

Continua após a publicidade

+ Como a Amazônia pode virar um manancial de negócios altamente lucrativo

O instituto está em fase de estudos de viabilidade e pode ser iniciado já em 2024. A ideia é contar com recursos privados e de governos.

O AmIT vai se debruçar sobre cinco eixos principais, considerados como desafios da selva amazônica: florestas, paisagens alteradas ou degradadas e como restaurá-las, infraestrutura sustentável de transporte e energia, biodiversidade e manejo.

“Até o fim da década, é possível zerar o desmatamento, derrubando as emissões de dióxido de carbono no Brasil, e ainda construir uma economia capaz de gerar mais de 8 bilhões de reais em riquezas por ano”, explica.

Continua após a publicidade

Nobre garante que a bioeconomia, isto é, a ciência que estuda os benefícios dos produtos e elementos químicos da floresta, pode revolucionar o Brasil. “Hoje, os sistemas agroflorestais, que misturam produção agrícola e a floresta, já nos fornecem mais de 100 produtos de alto valor agregado. E esses sistemas têm uma rentabilidade por hectare dez vezes maior que a pecuária e seis vezes maior que a soja”, prossegue. 

De acordo com o climatologista, a exploração da Amazônia em moldes sustentáveis é a grande chance de o Brasil se desenvolver. “Não existe nenhum país tropical que tenha desenvolvido sua bioeconomia. Essa é nossa grande oportunidade”, diz.

Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos
Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos (Divulgação/Divulgação)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine VEJA pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

a partir de R$ 29,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.