Publicidade
 
 


 
 



26 de setembro de 2007

PERFIL

ESTILO
MEU ESTILO
COMPORTAMENTO
RESTAURANTES
AS BOAS COMPRAS
BEIRA-MAR
A OPINIÃO DO LEITOR
CRÔNICA
VEJA RIO RECOMENDA
BARES
CINEMAS

em destaque
COMIDINHAS
CONCERTOS
DANÇA
ESPECIAL
EXPOSIÇÕES

em destaque
FILMES

em destaque
PARA AS CRIANÇAS
PARA DANÇAR
RESTAURANTES

em destaque
SHOWS

em destaque
TEATRO

em destaque
   

Teatro

Debora Ghivelder

Destaque da semana


ESTRÉIA

ENSAIOS DE MULHERES, de Jean Anouilh. Foram seis meses de trabalho até que o diretor Daniel Herz e sete integrantes da Cia. de Atores de Laura finalizassem a adaptação do texto L'Orchestre. Nesta comédia dramática, o autor francês Anouilh (1910-1987) versa sobre os bastidores de uma decadente orquestra feminina, toda interpretada por homens. Essa é a primeira montagem do grupo com participação apenas dos atores homens, de sua concepção até a formação de elenco, a saber: Anderson Mello, Charles Fricks, Felipe Mônaco, Leandro Castilho, Luiz André Alvim, Paulo Hamilton e, no único papel masculino, Marcio Fonseca (75min). 12 anos. Casa de Cultura Laura Alvim (265 lugares). Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, 2247-6946. Quinta a sábado, 21h. Domingo, 20h. R$ 20,00 (qui.) e R$ 30,00 (sex. a dom.). Bilheteria: 17h/21h (qui. a dom.). Até 25 de novembro. Estréia prometida para sexta (28).

 

REESTRÉIA

ENSAIO.HAMLET, da Cia. dos Atores. Depois de rodar oito países, a ousada tragédia inspirada na obra de Shakespeare volta à cidade para curta temporada. Dirigida por Enrique Diaz, a montagem centra fogo na ambição humana pelo poder. Em cena estão seis atores. Três da companhia (Bel Garcia, Cesar Augusto e Marcelo Olinto) e três convidados (Malu Galli e Felipe Rocha, que já vem atuando com o grupo, e Emílio de Mello), cada um deles fazendo vários personagens (120min). 18 anos. Estreou em 7/4/2004. Espaço Cia. dos Atores (60 lugares). Rua Manoel Carneiro, 10, Lapa, 2242-4176. Segunda a quarta, 20h. R$ 10,00. Bilheteria: a partir das 18h (seg. a qua.). Reestréia prometida para segunda (24). Até 3 de outubro.

 

ÚLTIMA SEMANA

A ALMA IMORAL, adaptação do livro do rabino Nilton Bonder. Monólogo confessional. Clarice Niskier, nua quase todo o tempo, faz o papel de si mesma enquanto conversa com o público citando parábolas judaicas e passagens da Bíblia. Uma bela aula sobre a vida. Direção de Amir Haddad (50min). 18 anos. Estreou em 21/7/2006. Teatro do Leblon – Sala Marília Pêra (348 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, 2294-0347. Quinta, 17h; sexta e sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 50,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 60,00 (sáb.). Bilheteria: 15h/21h (ter. a sáb.); 15h/20h (dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 5,00 por três horas). Até domingo (30).

ANTICLÁSSICO – UMA DESCONFERÊNCIA E O ENIGMA VAZIO, de Alessandra Colasanti. Sátira em forma de falsa palestra, a peça propõe uma reflexão sobre cultura e linguagem através da conferência de uma bailarina vivida pela autora. Com a participação de João Velho. Direção de Alessandra (70min). 14 anos. Estreou em 7/9/2007. Espaço SescSala Multiuso (50 lugares). Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, 2547-0156. Sexta, 20h; sábado e domingo, 17h e 19h. R$ 6,00. Bilheteria: a partir das 15h (sex. a dom.). Até domingo (30).

UM BOÊMIO NO CÉU, de Catullo da Paixão Cearense. Escrita em 1945 e jamais encenada, a peça revela a faceta de autor teatral do compositor de Luar do Sertão. O encontro no céu de um trovador boêmio (José Mayer) com São Pedro (Antonio Pedro) e Santo Onofre (Aramis Trindade), observado por um anjo (Kátia Brito), é o ponto de partida desta comédia lírica, toda contada em versos decassílabos, sobre questões ancestrais como a vida e a morte. Cativante, o espetáculo escancara para o público um Brasil romântico e ingênuo. Com direção de Amir Haddad, o texto chega à cena embalado por dez canções do poeta maranhense executadas ao vivo por um trio de músicos (90min). 12 anos. Estreou em 17/8/2007. Teatro Villa-Lobos (465 lugares). Avenida Princesa Isabel, 440, Copacabana, 2275-6695. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 30,00 e R$ 40,00 (sáb.). Bilheteria: 15h/21h (qui. a dom.). IC. Até domingo (30).

CANTADAS, de Denise Stoklos. Distante dos palcos cariocas há dois anos, Denise Stoklos estrela esta comédia inédita. Em cena, com a presença do músico André Abujamra, a atriz revê três décadas de atuação. Direção-geral e roteiro de Antônio Abujamra e Hugo Rodas (75min). 14 anos. Estreou em 27/7/2007. Teatro Oi Futuro (30 lugares). Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, 3131-3060, Metrô Largo do Machado. Sexta a domingo, 19h30. R$ 10,00. Bilheteria: 11h/20h (ter. a dom.). Até domingo (30).

DÁ UMA ENTRADINHA SÓ PRA VOCÊ SACAR COMO ESSE HOMEM ME AMA, de Luiz Carlos Góes. Aspectos da relação entre homem e mulher são explorados nesta comédia composta pelos textos Virtuosa e Bela, Sensata é Ela e Marilda, a Oprimilda. A primeira montagem aconteceu em 1976 e tinha o autor no elenco. Desta vez estão em cena Juliana Teixeira, Marcello Escorel e Renato Reston. Direção de Joaquim Vicente (70min). 16 anos. Estreou em 5/7/2007. Teatro Sesi (350 lugares). Avenida Graça Aranha, 1, Centro, 2563-4163. Quinta a domingo, 19h. R$ 30,00. Bilheteria: 14h/19h (ter. a dom.). TT. Até domingo (30).

DESESPERADOS, de Fernando Ceylão. Comédia de esquetes com Igor Paiva, Álamo Facó e Claudio Gabriel. Entre os personagens estão uma mãe opressora, uma taróloga charlatã e um grupo de ajuda para pessoas viciadas em falar mal dos outros. Direção do autor (80min). 12 anos. Estreou em 26/10/2005. Teatro dos Grandes AtoresSala Azul (400 lugares). Avenida das Américas, 3555 (Shopping Barra Square), Barra, 3325-1645. Sexta e sábado, 23h. R$ 30,00. Bilheteria: 15h/23h (sex. e sáb.). Cc.: D, M. Cd.: R. IC. Estac. (R$ 2,00 por duas horas). Até sábado (29).

EU SOU MINHA PRÓPRIA MULHER, de Doug Wright. Indicado ao Prêmio Shell pelo papel, Edwin Luisi interpreta 35 personagens neste monólogo cômico. O trabalho do ator justifica as três estrelas. E compensa o texto irregular, que narra a trajetória rocambolesca e verídica de Charlotte Von Mahlsdorf, travesti que atravessou o nazismo e o comunismo na Alemanha Oriental. Direção de Herson Capri e Susana Garcia (90min). 14 anos. Estreou em 10/5/2007. Teatro do Leblon – Sala Tônia Carrero (210 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon 2274-3536. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 50,00 (qui. e sex.) e R$ 60,00 (sáb. e dom.). Bilheteria: 15h/21h (ter. a sáb.); 15h/20h (dom.). Cc.: D, M e V. Cd.: todos. IC. Estac. (R$ 5,00 por três horas). Até domingo (30).

O HOMEM PROVISÓRIO, de Geraldo Alencar. Com cinco indicações na edição paulista do Prêmio Shell, a livre adaptação do grupo Casa Laboratório para o romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, tem direção de Cacá Carvalho e Roberto Bacci. Um drama regionalista com versos do cordelista Geraldo Alencar, poeta e herdeiro do lendário Patativa do Assaré (64min). 14 anos. Estreou em 6/9/2007 Espaço SescMezanino (100 lugares). Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, 2547-0156. Quinta e domingo, 20h; sexta e sábado, 21h30. R$ 12,00. Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Até sábado (29).

NÃO SOU FELIZ, MAS TENHO MARIDO, adaptação de Maria da Luz, Zezé Polessa e Victor Garcia Peralta para o livro da argentina Viviana Gómez Thorpe. Neste monólogo cômico, Zezé Polessa compõe com brilho Viviana, mulher que lança um livro e desata a contar a própria vida durante a entrevista coletiva para promover a obra (80min). 12 anos. Estreou em 13/1/2006. Teatro Clara Nunes (402 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, 3º piso (Shopping da Gávea), Gávea, 2274-9696. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 40,00 a R$ 50,00. Bilheteria: 10h/20h30 (ter. e qua.); a partir das 15h (qui. a dom.). IC. Estac. (R$ 4,00 por quatro horas). Até domingo (30).

PEQUENOS MILAGRES , de Paulo de Moraes e Maurício de Arruda Mendonça. Uma das mais inventivas trupes teatrais do país, o Grupo Galpão, de Minas Gerais, completou 25 anos. E comemora a data com esta peça erguida a partir de 600 relatos de cidadãos comuns recolhidos através da campanha Conte Sua História. A iniciativa foi inspirada no livro Achei que Meu Pai Fosse Deus, de Paul Auster, uma compilação de depoimentos remetidos ao escritor por ouvintes de um programa de rádio. Com quatro episódios, intitulados Cabeça de Cachorro, O Pracinha da FEB, O Vestido e Casal Náufrago, o Galpão põe em cena tramas cotidianas em espetáculo realista, distante das farsas que marcaram a trajetória da companhia. Direção de Paulo de Moraes (105min). 12 anos. Teatro Sesc Ginástico (510 lugares). Rua Graça Aranha, 187, Centro, 2279-4027. Quinta a domingo, 19h30. R$ 20,00 (qui., sex. e dom.); R$ 25,00 (sáb.). Bilheteria: 13h/19h30 (ter. a dom.). Até domingo (30).

QUERIDO MUNDO, de Miguel Falabella e Maria Carmen Barbosa. Nova montagem da comédia, marca a estréia na direção teatral do crítico de cinema Rubens Ewald Filho. A história do casal de vizinhos preso em uma quitinete na noite de Réveillon chegou à cidade após longa temporada em São Paulo. Com Maximiliana Reis e Jarbas Homem de Mello (90min). 12 anos. Estreou em 2/8/2007. Teatro dos Grandes AtoresSala Azul (400 lugares). Avenida das Américas, 3555 (Shopping Barra Square), Barra, 3325-1645. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 40,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 50,00 (sáb.). Bilheteria: 15h/21h (qui. a sáb.); 15h/20h (dom.). Cc.: D e M. Cd.: R. IC. Estac. (R$ 2,00 por duas horas). Até domingo (30).

SAFÁRI TERAPÊUTICO, de Lionel Fischer. Crítico teatral, ator, professor, autor e diretor, Fischer assina com a filha, Rita Fischer, esta comédia sobre quatro mulheres (papéis de Helena Borschiver, Maria Clara Guim, Natasha Corbelino e Rita Fischer) que se encontram em um spa. Direção do autor (75min). 14 anos. Estreou em 2/8/2007. Casa de Cultura Laura AlvimEspaço Rogério Cardoso (40 lugares). Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, 2247-6946. Quinta a sábado, 21h. Domingo, 20h. R$ 20,00. Bilheteria: 17h/21h30 (qui. a dom.). Até domingo (30).

 

EM CARTAZ

ALARME FALSO, de Marcelo Saback. Comédia policial. Quem matou dona Divina, moradora do sétimo andar de um prédio de classe média? Um famoso psicanalista tenta descobrir a identidade do assassino. Com Flávio Migliaccio, Alberto Bardawil, Juliana Knust e Eri Johnson, que vive nove personagens. Direção do autor (90min). 14 anos. Estreou em 3/8/2007. Teatro dos Grandes AtoresSala Vermelha (400 lugares). Avenida das Américas, 3555 (Shopping Barra Square), Barra, 3325-1645. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 40,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 50,00 (sáb.). Bilheteria: 15h/21h (ter. a dom.). Cc: D, M. Cd: R. IC. Estac. (R$ 2,00 por duas horas). Até 28 de outubro.

AS CENTENÁRIAS, de Newton Moreno. Amigas e comadres, Marieta Severo e Andréa Beltrão voltam a dividir o palco nesta comédia escrita sob encomenda para elas pelo autor da premiada Agreste. É uma delícia encontrar as atrizes transformadas em duas carpideiras do interior nordestino, carregadas de crença e sotaque. O humor franco que recheia a história das amigas dispostas a driblar a morte é dotado de agilidade e espírito. Em grande forma, elas dividem a cena com Sávio Moll, impecável na manipulação de bonecos criados por Miguel Vellinho. Uma das peças mais divertidas da temporada. Direção de Aderbal Freire-Filho (90min). 14 anos. Estreou em 6/9/2007. Teatro Poeira (182 lugares). Rua São João Batista, 104, Botafogo, 2537-8053. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. IC. R$ 50,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 60,00 (sáb.). Bilheteria: a partir das 15h (ter. a dom.).

O DIABO VESTE SAARA, de Marcelo Lino, Melise Maia e Cassia de Barros. Comédia. Socialite se embrenha pelas ruas da Saara à procura de loira que roubou seu marido. Melise Maia, Elida L'Astorina, Sarah Lavigne, Marcelo Lino e Alessandro Moussa. Direção de Helio Ribeiro (80min). 12 anos. Estreou em 7/9/2007. Teatro Candido Mendes (133 lugares). Rua Joana Angélica, 63, Ipanema, 2267-7295. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 30,00. Até 11 de novembro.

DIÁLOGOS COM MOLLY BLOOM, de José Sanchis Sinisterra. Um quarto à meia-luz. Uma cama e um casal. Ele dorme. Ela (Malu Galli), insone, passa a vida a limpo. A trama desse monólogo dramático, inspirada na personagem Molly, do romance Ulisses, de James Joyce, ganhou cinco diretores: Andrea Beltrão, Christiane Jatahy, Cristina Moura, Gilberto Gawronski e o autor (65min). 16 anos. Estreou em 11/7/2007. Centro Cultural Solar de Botafogo (180 lugares). Rua General Polidoro, 180, Botafogo, 2543-5411, Metrô Botafogo. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 15h. www.solardebotafogo.com.br. Até 30 de outubro.

DIVÃ, de Martha Medeiros. Estrelada por Lília Cabral, essa comédia já conquistou mais de 158 000 espectadores. Conta a história de Mercedes, mulher de 40 anos que, por curiosidade, procura um analista. No elenco estão também Alexandra Richter e Marcelo Valle. Direção de Ernesto Piccolo (80min). 14 anos. Estreou em 6/1/2005. Teatro Vannucci (395 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, 2274-7246. Quinta a sábado, 21h30. Dom., 19h. R$ 40,00 a R$ 60,00. Bilheteria: 14h/22h (qui. a dom.). Estac. (R$ 4,00 por quatro horas).

ELEMENTO LÍQUIDO – UM ESPETÁCULO SOBRE AS ÁGUAS, de Jac Fagundes. Monólogo performático que chama atenção do público para a necessidade de mudança de comportamento diante da questão da preservação da água. É passado em dois planos, o lúdico e o científico. A história de quatro personagens ligados pela água transcorre de maneira livre no primeiro. No segundo, que também acompanha a narrativa, a linguagem é mais jornalística, com uso de informações e números. Direção e atuação de Jac Fagundes (70min). 14 anos. Estreou em 19/9/2007. Teatro dos Quatro (402 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, 2º piso (Shopping da Gávea), Gávea, 2274-9895. Terça a quinta, 21h. R$ 30,00 e R$ 40,00 (qui.). Bilheteria: 14h/21h (ter. a dom.). IC. Estac. (R$ 4,00 por quatro horas). Até 11 de outubro

ERES KIGAL – ESCULTURAS, de Camila Diehl. Nesse espetáculo, o público estará diante de uma exposição em que as obras de arte, personificadas por três atores, manifestam suas consciências e interagem com uma curadora (Camila Diehl) e o artista que as criou (Eres Kigal, vivido por Wendell Soares). O texto do drama traz referências em sânscrito e trechos em inglês. Também no elenco, Vinicius Mochizuki, Átila Bezerra e Lucas Valentim (60min). 18 anos. Estreou em 21/9/2007 Casarão da Bambina (60 lugares). Rua Bambina, 141, Botafogo, 9811-5523, Metrô Botafogo. Sexta e sábado, 21h; domingo e segunda, 20h. R$ 15,00. Bilheteria: a partir das 18h. Até 17 de dezembro.

FALA BAIXO SENÃO EU GRITO, de Leilah Assumpção. Em 1969, lançando a autora, Marília Pêra montou esse drama com Roberto Villela. Desta vez, Ana Beatriz Nogueira e Eriberto Leão contam com competência a história de Mariazinha, mulher que vive sozinha em um quarto de pensão e tem a moradia invadida por um bandido. Paulo de Moraes, do grupo Armazém, assina a direção (80min). 14 anos. Estreou em 31/8/2007. Teatro do Leblon – Sala Fernanda Montenegro (340 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, 2274-3536. Quinta a sábado, 21h30; domingo, 20h. R$ 50,00 (qui. e sex.) e R$ 60,00 (sáb. e dom.). Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Cc.: D, M e V. Cd.: todos. IC. Estac. (R$ 5,00 por três horas). Até 7 de outubro.

HISTORIETTES, de Guy de Maupassant. Contos do autor são apresentados aqui por duas criadas que, ao arrumar o quarto de uma marquesa, descobrem um misterioso livro. Primeira produção da companhia Tempo Real, o drama traz no elenco as atrizes Ana Paula Novellino e Carla Andrea, dirigidas por Wilson Belém (60min). 12 anos. Estreou em 16/8/2007. Teatro Maria Clara Machado (127 lugares). Rua Padre Leonel Franca, 240 (Fundação Planetário), Gávea, 2274-7722. Quinta, 21h. R$ 15,00. Bilheteria: 16h/21h (qui.). TT. Estac. (R$ 5,00). Até 4 de outubro.

HOMEMÚSICA, de Michel Melamed. Terceira e última parte da trilogia de Melamed, que inclui os bem-sucedidos Regurgitofagia e Dinheiro Grátis, o monólogo performático se utiliza mais uma vez de teatro, música, tecnologia e declamação de poesia para apresentar a história de Helicóptero, O Homemúsica, jovem com o dom de emitir sons musicais de cada parte de seu corpo. Com Melamed, auxiliado por banda ao vivo (80min). 18 anos. Estreou em 12/9/2007. Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil (143 lugares). Rua Primeiro de Março, 66, Centro, 3808-2020, Metrô Uruguaiana. Quarta a domingo, 19h30. R$ 10,00. Bilheteria: 10h/21h (ter. a dom.). Cc.: D, M, V. Cd.: V. TT. Estac. grátis após 19h (ter. a sex.) e após 10h (sáb. e dom.). Até 28 de outubro.

O HOMEM VIVO, roteiro de Delson Antunes. Versos do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, bem costurados pelo diretor Antunes, são a razão de ser desta curiosa espécie de sarau cênico. Nos papéis de dois trabalhadores, Orã Figueiredo e Camilla Amado, indicada ao Shell pela atuação, conduzem a narrativa com o auxílio de música ao vivo: o piano de João Carlos Assis Brasil e a voz afinada de Wladimir Pinheiro (70min). 14 anos. Estreou em 4/5/2007. Centro Cultural Correios (200 lugares). Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, 2253-1580. Quinta a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 16h (qui. a dom.). Até 28 de outubro.

ISADORA DUNCAN – É DANÇANDO QUE A GENTE SE APRENDE, de Aguinaldo Silva. Escrito em 1983, o drama foi montado no ano seguinte com Norma Bengell no papel principal. Letícia Spiller agora estrela o elenco que conta ainda com Oscar Magrini, Marly Bueno, Anselmo Vasconcellos e Laura Proença. Em cena, a história de Aurora Bonfim, apaixonada pela trajetória de Isadora Duncan. É uma pena que a montagem ostente exageros dos cenários à interpretação. Direção de Paulo Afonso de Lima e direção geral de Bibi Ferreira (90min). 14 anos. Estreou em 26/7/2007. Teatro Vannucci (395 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52 (Shopping da Gávea), Gávea, 2274-7246. Quinta a sábado, 19h. Dom., 21h30. R$ 60,00. Bilheteria: 14h/22h (qui. a dom.). Estac. (R$ 4,00 por quatro horas). Até 28 de outubro.

LEMBRANÇAS DE UM SONHO, de Luiz Carlos Maciel. Peça musicada, narra um drama romântico em dois tempos e tem como pano de fundo a história recente do país. Em 1968, Joana, jovem de esquerda (Monique Alfradique), está dividida entre a relação segura com Flores (Rafael Almeida) e a paixão pelo hippie Aimberê (Odonne Monteiro). Ela casa com o primeiro enquanto o segundo desaparece misteriosamente. Em 2007, o casal (vivido por Maria Cláudia e Flávio Antônio) passa por uma crise e Joana resolve descobrir o motivo do sumiço de Aimberê. Com Círia Monteiro. Direção de Regiana Antonini e direção musical de Paulo Severo (100min). 18 anos. Estreou em 18/8/2007. Teatro Glória (347 lugares). Rua do Russel, 632, Glória, 2555-7262, Metrô Glória. Quinta a sábado, 20h; domingo, 19h. R$ 20,00 (qui., sex. e dom.) e R$ 25,00 (sáb.). Bilheteria: 14h/20h (ter. a dom.). Até 14 de outubro.

O MANIFESTO, de Brian Clark. Escrito nos anos 80, o drama foi atualizado pelo autor. A discussão, antes sobre armas nucleares, agora gira em torno dos conflitos no Oriente Médio. Eva Wilma e Othons Bastos vivem um casal britânico de classe média. Ele é um general reformado e ela uma senhora de esquerda. Na sala, as diferenças políticas fazem ambos desenterrar outras desavenças. Mas, em vez do conflito, eles exibem um sábio exercício de amor e tolerância. Na direção, Flávio Marinho sustenta a encenação na dupla de intérpretes e ambos deixam claro por que são nomes de primeira grandeza dos palcos nacionais (90min). Livre. Estreou em 31/8/2007. Teatro Maison de France (353 lugares). Avenida Presidente Antônio Carlos, 58, Centro, 2544-2533. Quinta a sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 50,00 a R$ 70,00. Bilheteria: 14h/21h (qui. a sáb.); 14h/19h (dom.). Manobr. (R$ 10,00). TT. Até 2 de dezembro.

MEU FILHO É UM DOCE, de Claudia Valli. Comédia dramática sobre um casal (Cláudia Paiva e Antônio Fragoso) que muda de vida radicalmente quando descobre que o filho é diabético. Também com Duaia Assumpção, Nilvan Santos e Patrícia Pinho. O ator Sergio Loroza interpreta a voz de Deus, em texto gravado (75min). 14 anos. Estreou em 6/9/2007. Teatro Clara Nunes (402 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, 3º piso (Shopping da Gávea), Gávea, 2274-9696. Terça e quarta, 21h; quinta, 17h. R$ 25,00. Bilheteria: a partir das 14h (ter. a qui.). IC. Estac. (R$ 4,00 por quatro horas). Até 1º de novembro.

MINHA MÃE É UMA PEÇA, de Paulo Gustavo. Monólogo cômico. Paulo Gustavo encarna a divertida Dona Hermínia, aposentada afogada em problemas domésticos. Há mais de um ano em cartaz, a peça já foi vista por mais de 100.000 espectadores. Direção de João Fonseca (60min). 12 anos. Estreou em 5/5/2006. Teatro dos Quatro (402 lugares). Rua Marquês de São Vicente, 52, 2º piso (Shopping da Gávea), 2274-9895. Quinta a sábado, 21h30; domingo, 20h30. R$ 40,00 e R$ 50,00 (sáb.). Bilheteria: 14h/21h30 (ter. a dom.); IC. Estac. (R$ 4,00 por quatro horas). Até 28 de outubro.

PÃO COM MORTADELA, adaptação de João Fonseca e Sacha Bali. Baseado na obra de Charles Bukowski (o romance Misto-quente, além de contos e poemas), esse drama conta a história de um sujeito que nasce e depara com um mundo hostil. É a trajetória do próprio Bukowski, vista com um olhar ameno por Fonseca, apesar das cenas de sexo e drogas que integram a biografia underground do escritor. Com Aline Fanju, Gustavo Nunes, Jorge Lucas, Rosanna Viegas e Sacha Bali. Direção de João Fonseca, indicado ao Prêmio Shell pelo trabalho (90min). 16 anos. Estreou em 25/5/2007. Teatro do Leblon – Sala Tônia Carrero (190 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, 2274-3536. Terça e quarta, 21h. R$ 40,00. Bilheteria: 15h/21h (ter. e qua.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 5,00 por três horas). Até 10 de outubro.

7 – O MUSICAL, de Cláudio Botelho e Charles Möeller. Mais autoral dos quinze espetáculos da dupla, o ousado musical com música de Ed Motta e letras de Botelho baseia-se nas histórias dos Irmãos Grimm, em especial Branca de Neve. Em um Rio de Janeiro encantado, sete mulheres têm seus destinos cruzados desde que uma delas, Amélia (Alessandra Maestrini), perde o amor de sua vida para uma moça mais jovem e mais bela. Com Alessandra Verney, Eliana Pittman, Gotsha, Ida Gomes, Marya Bravo, Rogéria, Tatiana Kohler, Zezé Motta e outros (135min, com intervalo). 14 anos. Estreou em 1º/9/2007. Teatro João Caetano (1.222 lugares). Praça Tiradentes, s/nº, Centro, 2221-2852. Quinta e sexta, 19h30; sábado, 20h; domingo, 18h. R$ 40,00 (qui. e sex.) e R$ 50,00 (sáb. e dom.). Bilheteria: 14h/18h (ter. e qua.); a partir das 14h (qui. a dom.) IC.

 
Muitos estabelecimentos alteram, sem aviso prévio, seus horários, programas e sistema de cartões de crédito e tíquetes. É bom checar antes de sair.

Cotações
– péssimo
– fraco
– regular
– bom
– muito bom
– excelente
Os programas sem cotação não foram avaliados

Serviços
– vinho em taça
– acesso - deficientes físicos
– área para fumantes
- menu ou atividades para crianηas
- conexão wireless (sem fio), ou seja, ali o freqüentador pode acessar a internet em seu notebook.
- indica que a casa permite que o cliente leve o seu vinho, com ou sem cobrança de taxa.

Tíquetes ( T.)
C –
Cheque Cardápio
T – Ticket Restaurante
V – Vale Refeição

Cartões de débito (Cd.)
C –
Cheque Eletrônico
M – Maestro
R – Rede Shop
V – Visa Electron

Cartões de crédito (Cc.)
A –
American Express
D – Diners
M – Mastercard
V – Visa

Cartões de refeição (Cr.)
S –
Smart VR
SP – Sodexho Pass
T –
Ticket Restaurante Eletrônico
V – Visa Vale

Faixas de preço por pessoa
$ –
até R$ 35,00
$$ – de R$ 36,00 a R$ 50,00
$$$ – de R$ 51,00 a R$ 75,00
$$$$ – acima de R$ 76,00
Esse preços são para uma refeição que inclui couvert, um prato de custo médio e sobremesa, sem bebidas alcoólicas.

         
     

 

 
VEJA on-line | Veja Rio
copyright © Editora Abril S.A. . todos os direitos reservados