Group 21 Copy 4 Created with Sketch.
Em pauta com Da Redação

Os ataques de Las Vegas e Texas e o direito americano às armas

Com os acontecimentos recentes, a legislação americana de armas volta ao debate público

access_time 8 nov 2017, 13h15

Em pouco mais de um mês, os Estados Unidos viveram dois de seus cinco massacres a armas mais fatais. O ataque ocorrido no festival de música de Las Vegas, no mês passado, deixou 59 mortos e foi o maior da história moderna do país. O tiroteio na igreja do Texas no último domingo deixou 26 mortos – dos quais 14 eram crianças –  e se tornou o quinto maior. Inevitavelmente, os acontecimentos trazem à tona novamente o debate sobre a legislação de armas americana e o direito, garantido em Constituição, dos civis as terem.

Notícias sobre
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Alison Paixão

    É, mas o que vocês não dizem na matéria é que no primeiro caso, o de Las Vegas o sujeito usava armas que já são proibidas e no caso do atirador do Texas, ele usava uma arma ilegal, então em ambos os casos, mesmo que o porte de arma fosse proibido como aqui no Brasil, eles teriam agido do mesmo jeito, já que ambos estavam agindo fora da lei.

    Curtir

  2. Alexandre Macedo

    Para a veja bom mesmo e o pais desarmado como o Brasil com 15 vezes mais assassinatos que nos USA.

    Curtir