Voar é humano: aéreas voltam a valorizar conforto a bordo

Para atrair passageiros na crise, a nova tendência das companhias de aviação é oferecer experiências mais confortáveis e saudáveis dentro das aeronaves

Nas décadas de 60 e 70 do século passado, voar era caro e glamouroso: o café da manhã de viagens transatlânticas era servido em xícaras de porcelana, o almoço, em pratos dourados de grife japonesa, vinho e champanhe a mancheias, mesmo na classe econômica. Depois da crise do petróleo de 1973, e da renitente gangorra econômica do mundo, as companhias aéreas deixaram de ser rentáveis — só sobreviveram ao reduzir custos. E, para reduzir custos, espremeram mais passageiros dentro das cabines e subtraíram serviços. O modelo, contudo, parece estar se esgotando. As companhias já descobriram que poderão perder vendas se não devolverem um pouco do conforto de outrora. Como mostra reportagem de VEJA, a nova tendência é oferecer a bordo experiências mais humanas. Fazer, enfim, com que os voos sejam menos aborrecidos, com recursos de iluminação, de limpeza e ofertas tecnológicas em todas as categorias de preço. A Boeing, por exemplo, investiu em um protótipo de banheiro com lavagem automática. Por meio de luz ultravioleta, o sistema será capaz de eliminar até 99% dos germes em apenas três segundos.

Para ler a reportagem, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gustavo Woltmann

    Investir no banheiro? Não sei, talvez nos lanches dos aviões e umas poltronas mais confortáveis seria melhor

    Curtir

  2. Não sei se investir no banheiro seria uma prioridade para o passageiro. Gostaria mais de uma poltrona um pouco mais humana. Antes de tudo voar é chato, é um constante esperar a chegada no destino. E à noite é proibido olhar pela janela, ver o céu estrelado mudando viajando de uma parte do mundo para outra. Isso porque o pessoal de bordo fica com medo de ter que trabalhar de manhã com a luz do dia entrando pela janela e possivelmente acordando um passageiro.

    Curtir

  3. Carlos Marques

    Que tal investir em tripulações mais educadas e gentis. Certas companhias (American Airlines, Copa) tem comissarios estupidos, rispudos e preconceituosos contra brasileiros.

    Curtir

  4. Carlos Marques

    A Copa Airlines é campeã. Chegam a ameacar de prisão quem se insurge contra sua estupidez e frieza. Não voem Copa.

    Curtir

  5. Carlos Marques

    Quando fazem escala no Panamá, os funcionários da Copa Airlines, que mandam naquele paiseco de b*osta, multam e extorquem dinheiro de brasileiros. Sei de dois casos assim.

    Curtir

  6. Micky Oliver

    MIMOS EM BANHEIROS? EU QUERO É ESPAÇO PARA MINHAS PERNAS!!! LATAS DE SARDINHAS VOADORAS!

    Curtir