Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Steve Ballmer faz mea-culpa: Microsoft negligenciou o celular

Ex-CEO diz que voltaria no tempo se pudesse repensar estratégia mobile da gigante do software

A Microsoft esqueceu o mercado de smartphones e tablets nos últimos dez anos, disse Steve Ballmer, ex-CEO da companhia, em uma palestra para alunos de MBA da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, nesta terça-feira. O executivo, que passou o cargo para Satya Nadella há um mês, afirmou que gostaria de voltar no tempo e repensar a estratégia da empresa no setor mobile.

Leia também:

MWC 2014: Nokia se rende ao Android para impulsionar Microsoft

Com novo CEO, Microsoft tem que encarar mundo pós-PC

“Poderíamos ter uma posição mais forte no mercado de smartphones hoje em dia se eu pudesse ‘reviver’ a última década”, explicou Ballmer. A solução da companhia, adiantou o executivo, é identificar e pegar a próxima onda. Ainda de acordo com o ex-CEO, a aquisição da Nokia, em setembro do ano passado, foi muito importante para o futuro da Microsoft.

A próxima onda, na visão de Ballmer, é o WhatsApp. O serviço de mensagens instantâneas foi adquirido pelo Facebook por 19 bilhões de dólares. “É uma moda passageira?”, questionou. “Provavelmente, não. (…) Será que os 450 milhões de usuários justificam tamanho investimento? Pessoas razoáveis, como Mark Zuckerberg (CEO do Facebook), acreditam que sim. Então não há razões para duvidar.”

Esta foi a primeira aparição pública de Ballmer desde que ele passou o cargo para Nadella, em fevereiro. “Eu sou um membro do conselho bastante ativo”, disse o ex-CEO, que entrou na Microsoft em 1980 e passou a comandar a companhia em 2000. “Eu tenho 4% da empresa e me preocupo com o futuro dos meus filhos, com meus investimentos e com os investimentos dos outros acionistas”, afirmou aos estudantes.

Durante uma hora, Ballmer respondeu perguntas dos alunos, deu conselhos e destacou que as decisões mais difíceis que já tomou na vida estavam relacionadas à contratação e demissão das pessoas certas. De acordo com o ex-CEO, a tecnologia tem dois papéis fundamentais nos próximos anos: incluir no mercado consumidor 1 bilhão de pessoas e revolucionar setores como o de saúde e educação.