Ferramenta na internet corrige distorções do mapa-múndi

Com ajuda da tecnologia digital, é possível comparar no mapa o real tamanho de nações e continentes

Os países do mundo não são do tamanho que você imagina. Isso porque é quase inviável imprimir nos mapas, planos, em 2D, as reais proporções das nações e dos continentes. Mas agora, com a ajuda da tecnologia moderna, as distorções do mapa-múndi podem ser solucionadas. É exatamente o que faz o site The True Size Of (em inglês, ‘o verdadeiro tamanho de’).

Ao entrar na plataforma é possível verificar o real tamanho de um país, comparando-o com qualquer outro do planeta. Por exemplo, o Brasil sozinho é maior que mais de vinte países da Europa juntos (confira na imagem acima).

Por que é distorcido?

O primeiro mapa-múndi retratado como conhecemos é do alemão Martin Waldseemüller, feito em 1507, 15 anos depois dos europeus chegarem à América com Cristóvão Colombo em 1492. Na projeção, observa-se uma África muito maior, em proporção, que qualquer outro território. Isso se deve ao fato de que, na época, os navegadores e cartógrafos tinham muito mais conhecimento do continente africano em relação a outras terras. Logo era mais conveniente dar destaque ao que lhes era mais conhecido.

Mapa-mundi antigo

Mapa-múndi de Waldseemüllerm, de 1507 (Divulgação/Divulgação)

Após o mapa-múndi precursor de Waldseemüller, outras planificações foram feitas à medida que o homem explorava novos territórios com as Grandes Navegações, entre os séculos XV e XVII.  Na Idade Moderna, com um conhecimento territorial mais consolidado, duas representações cartográficas foram adotadas com mais frequência: a do alemão Peters e a do flamenco Mercator; a última utilizada, por exemplo, pelo site do Google Maps.

Embora as projeções de Peters e Mercator sejam mais fiéis à realidade – em comparação com o primeiro esboço de Waldseemüller – tais representações ainda não são cem por cento reais pela dificuldade em planificar, ou seja, transformar 2D, um globo inteiro (em 3D, pelo óbvio), sem deformá-lo. Por isso as decisões de dar maior destaque a determinados territórios, e menor para outros. Na projeção de Mercator, por exemplo, que prioriza o hemisfério norte, a Groenlândia é do mesmo tamanho da África; enquanto que na realidade o continente africano é 15 vezes maior que a terra congelada.

Plataforma compara tamanhos de países

Tamanho da Groenlândia em comparação com o continente africano (Google/Reprodução)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ex-microempresário

    Tem um engano aí: a projeção de Mercator é simétrica, não privilegia hemisfério norte nem hemisfério sul.

    Curtir

  2. Rossi Nogueira

    A velha história de dizer que os mapas dão mais importância importância Hemisfério Norte. A projeção de Mercator é mais distorcida quanto mais distante da linha do Equador. Por isso a Groenlândia é tão distorcida no mapa quanto a Austrália. África e Brasil, perto do Equador, estão menos distorcidos.

    Curtir

  3. Marcos Ficarelli

    Brasil! sil! sil!

    Curtir

  4. Gabriel Oliveira

    Brasil ficou parecido com o TAS.

    Curtir

  5. Demetrius Assucena

    Se olharmos as fotos ” reais” do planeta tirada pela NASA, estão totalmente diferentes. Alguém vem mentindo a muito tempo.

    Curtir

  6. Alguém vem mentindo desde a idade média, ao dizer que a terra é plana. Pensamentos absurdos, também tem seguidores insanos.

    Curtir

  7. O importante é abandonar a mentalidade bi-dimensional! Logo, logo, estaremos todos conectados a sistemas 3D em todos os espaços de convivência, onde visualizaremos modelos hiper-realistas dos objetos do cotidiano.

    Curtir