Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Draw Something’ põe crianças – e adultos – para desenhar

Jogo conquista 50 milhões de seguidores em menos de dois meses e salva seus criadores da falência

Em fevereiro, a empresa americana Omgpop deu aquela que poderia ser sua última cartada para manter-se viva no competitivo mercado de games dos Estados Unidos: lançou um novo jogo para smartphones. Seu título: Draw Something (Desenhe Algo, em tradução literal). Prestes a fechar as portas, a companhia já havia demitido parte de seus funcionários quando o inesperado aconteceu. Em apenas cinco semanas, o programa de criação de desenhos foi baixado mais de 20 milhões de vezes na loja virtual de aplicativos da Apple, a App Store. Virou um hit. Passados 50 dias do lançamento, o número de usuários chegou a 50 milhões. Hoje, ele está também na Android Market, loja do Google, ao preço de 99 centavos de dólar.

Confira também:

Vídeo oficial do Draw Something

As cinco razões do sucesso do jogo

O Draw Something é um aplicativo social que coloca duas pessoas em uma competição de desenhos. Alternadamente, cada um dos contendores recebe do programa três palavras (por ora, só há versão em inglês). Tem, então, que desenhar, na superfície do smartphone ou tablet, uma imagem que represente aquela palavra. Em seguida, o desenho é exibido ao rival: se este matar a charada, ambos ganham pontos – na verdade, moedas virtuais. É uma atualização dos antigos programa de TV. Encerrada a rodada, trocam-se os papéis.

A opinião de quem joga

Alexandre Sakai, de 37 anos, publicitário

“Sempre gostei de desenhar. O Draw Something trouxe esta paixão de volta. Até comprei uma caneta específica para tablets.”

Taylor Carvalho, de 24 anos, publicitário

“Já criei quase 200 desenhos no aplicativo, gastando em média uma hora por dia. Outra vantagem é que me ajuda a treinar o inglês.”

Apesar do formato simples, ou devido a ele, o jogo conseguiu alcançar outras marcas impressionantes. Em horários de pico, em que milhares de pessoas se divertem simultaneamente, são feitos mais de 3.000 desenhos por segundo. Assim, já foram criados mais de 6 bilhões de imagens no programa, que nem de longe se tornou brincadeira de criança. “Tenho mais de cem desenhos feitos em 16 jogos”, diz o publicitário Flávio Paulino, de 25 anos, que dedica pelo menos uma hora diária ao aplicativo.

Outra marca impressionante alcançada pelo app foi inscrita em um cheque. Por 200 milhões de dólares, a Zynga – gigante dos games, criadora de sucessos como o jogo social FarmVille – comprou a Omgpop, cujo nome é brincadeira com um acrônimo da expressão “oh, my god” (“oh, meu deus”). “Oh, my god!!” é provavelmente o que Dan Porter, agora ex-CEO da Omgpop, disse ao ouvir a proposta milionária da Zynga. A aquisição possibilitou o retorno dos funcionários que haviam sido demitidos. Para a Zynga, a compra significa ainda aquisição de know-how. Embora seja mestre em jogos sociais, a empresa ainda não emplacou uma atração para dispositivos móveis.

Com novo dono, o Draw Something pode ser alçado a novo patamar. É provável, por exemplo, a inclusão de um sistema de micropagamentos, a partir do qual o usuário utilizaria dinheiro real para comprar mais cores (a paleta dos iniciantes é restrita), ferramentas de desenho ou mesmo pacotes com mais palavras, que iniciam os desafios. O modelo de negócios se mostrou rentável em outros títulos da Zynga, como o FarmVille e o CityVille.

Para Michel Lent, vice-presidente de estratégia do Grupo .Mobi, que reúne as principais empresas de desenvolvimento de aplicativos no Brasil, a fama repentina do Draw Something é fruto de um fenômeno viral. “Ele seguiu o mesmo caminho de vídeos virais que ficaram famosos da noite para o dia”, diz. Ele acredita que o aumento da base de smartphones e tablets no mundo, aliado ao aspecto social do aplicativo, foram catalizadores do sucesso. “Você é sempre obrigado a encontrar um parceiro para jogar. Isso alimenta o fluxo de usuários.” Não estranhe, portanto, se nos próximos dias você vir por aí um adulto desenhando na superfície de um tablet ou celular. Ele deve estar sendo desafiado pelo Draw Something.

Assista, no vídeo a seguir, à apresentação oficial do Draw Something

Cinco razões do sucesso do Draw Something

Avaliação de Breno Masi, diretor da agência Fingertips