Avianca “paga” o dobro da Gol pelas milhas em programa de fidelidade

Levantamento é da MaxMilhas, plataforma de compra e venda de milhagens

*Texto corrigido às 12h30 de 12/2/16

Levantamento inédito da MaxMilhas – plataforma on-line que facilita a compra e venda de milhas aéreas entre consumidores – revela que as companhias do setor atribuem valores bem diferentes aos créditos acumulados pelos participantes dos programas de fidelidade. O maior contraste é registrado entre a Avianca e a Gol: para a mesma quantidade de milhas, a primeira “paga”, em média, o dobro da segunda quando um consumidor afiliado quer trocar seu saldo por um bilhete de viagem. Os valores (confira no quadro abaixo) podem ajudar os consumidores a resolver um velho dilema: vale mais a pena trocar as milhas por passagem ou por outro produto aceito pelo programa?

O levantamento analisou dados (preços de passagens e quantidade de milhas necessárias à aquisição de um bilhete) provenientes das companhias relativos a cerca de 70.000 voos realizados em 2015. Só entram na conta bilhetes cujo resgate por milhas é vantajoso para os consumidores. Nos demais casos, o melhor negócio é mesmo recorrer ao marketplace da MaxMilhas e adquirir créditos de quem quer vender.

Arte - quanto valem suas milhas aéreas

Arte – quanto valem suas milhas aéreas (VEJA)

É simples participar do livre mercado. Quem tem pontos e quer fazer dinheiro (o vendedor), só precisa cadastrar suas milhas na plataforma e fixar um preço. O sistema informa as quatro ofertas mais baixas feitas por outros vendedores. O objetivo é não deixar ninguém “fora do mercado”.

Do outro lado, gente interessada em viajar (o comprador) busca na plataforma bilhetes para o destino desejado. Os resultados das pesquisas exibem informações (preço e milhas) sobre os voos oferecidos pelas companhias e, ao lado, quanto sairia a viagem comprando-se milhas do vendedor que oferece o menor preço. O comprador, então, pode escolher a melhor oferta. Negócio fechado e boa viagem.

Hoje, mais de 60.000 pessoas compram e/ou vendem milhas na plataforma, mas outras 50.000 já estão cadastradas. Circulam por ali mais de 4 milhões de reais por mês, e a empresa fica com um quarto disso. Cerca de 100 milhões de milhas estão à venda na MaxMilhas. É, segundo Max Oliveira, CEO e cofundador da MaxMilhas, o suficiente para 10.000 passagens nacionais.

Mais artigos da série:

Brasileiros são estudantes aplicados de línguas. Mas os argentinos se saem melhor

Que nota os brasileiros dão para o transporte coletivo? Um app israelense responde

O que determina o preço das milhas no mercado livre é o velho balé entre oferta e demanda. A Gol, por exemplo, oferece mais opções de voos do que a Azul, o que acaba por estimular a procura por suas milhas, fazendo o preço “subir” um pouco. Na outra ponta, o programa de fidelidade da Avianca só tem parceria com Bradesco e Santander, o que torna as milhas da marca raras no mercado e eleva seu preço. Já no caso dos valores “pagos” pelas companhias aéreas, entram outros fatores, segundo Oliveira. “Depende principalmente da disponibilidade de voos e da forma como cada companhia precifica seus voos em milhas. E isso varia no tempo”, diz Oliveira.

Avançando no mercado doméstico, a MaxMilhas quer agora voar para o exterior. A plataforma já abriu no marketplace espaço para milhas da American Airlines. Em breve, devem se unir a ela companhias como British, Delta, Singapore, Etihad e Qatar. “Os consumidores pedem isso”, diz Oliveira. Em 2017, a ideia é aterrissar nos Estados Unidos. “O mercado não é bem explorado lá fora. Operam apenas empresas fechadas de compra e venda.”