Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ação da Nintendo cai 18% após empresa rever impacto de Pokémon Go

Recuo dos papéis foi o mais forte em mais de duas décadas; empresa afirmou que o game terá impacto limitado sobre seu resultado

As ações da Nintendo fecharam em baixa de quase 18% nesta segunda-feira depois que a companhia afirmou que o game Pokémon Go terá impacto limitado sobre seu resultado. Essa foi a maior queda sofrida pelo papel desde o lançamento do jogo para celulares. Foi também a maior baixa no preço dos papéis da empresa desde outubro de 1990. 

A companhia, que divulga resultado do primeiro trimestre fiscal nesta semana, surpreendeu os mercados na sexta-feira ao afirmar que a receita esperada com o game seria limitada e que não planejava revisar sua previsão de desempenho por enquanto.

Alguns analistas, no entanto, citaram que a Nintendo estava sendo dissimulada, acrescentando que pouco depois do lançamento de Pokémon Go, já havia expectativas de revisão para cima nas expectativas de lucro.

Leia mais:
Pokémon Go vira febre global e faz disparar valor da Nintendo

“Os mercados exageraram na reação ao anúncio da Nintendo”, disse David Gibson, analista do banco de investimento Macquarie, citando que o jogo superou recordes no Japão com 10 milhões de downloads em um único dia. “Eu acredito que Pokémon terá efeito material para a Nintendo dadas as atuais tendências para o jogo.”

O Pokémon Go coleciona superlativos. Em apenas uma semana, ele foi instalado em mais de 5% da base de usuários ativos de aparelhos com o sistema operacional Android nos Estados Unidos, o que o torna mais popular do que o Tinder, o conhecido aplicativo de relacionamentos. Ele chegou ao topo da lista dos aplicativos mais baixados da App Store americana em apenas quatro horas e meia; na Austrália e na Nova Zelândia, chegou à primeira colocação em downloads em dois dias.

A Nintendo divulga resultado trimestral na quarta-feira e espera alta de 37% no lucro operacional, para 45 bilhões de ienes (425 milhões de dólares), no ano até março.

(Com Reuters)