Teste genético prevê progressão do câncer de próstata

Exame desenvolvido nos EUA diz quais pacientes são mais propensos a apresentar casos agressivos da doença e que precisam ser monitorados de perto. Exame também pode ajudar a evitar tratamentos desnecessários

Um teste genético desenvolvido nos Estados Unidos pode ajudar médicos a identificar se um paciente com câncer de próstata é mais propenso a desenvolver casos agressivos da doença – e, assim, prever se ele precisará, ou não, de tratamentos mais intensivos. O exame foi desenvolvido na Universidade da Califórnia, San Francisco. De acordo com os autores da pesquisa, com o teste, os médicos também poderão saber quais pacientes diagnosticados com o câncer devem ser acompanhados de forma mais intensa para que a progressão da doença seja controlada.

Em um comunicado divulgado pela universidade, pesquisadores afirmaram que o teste, chamado Oncotype DX Genomic Prostate Score (GPS), fornece informações prognósticas “clínica e estatisticamente significantes e dados adicionais acima e além dos já existentes”. “Com o novo teste, podemos ter mais confiança em recomendar uma vigilância ativa quando é apropriado”, diz Matthew Cooperberg, coordenador do estudo.

Leia também:

Paciente com câncer de próstata terá nova medicação

Alimentos ricos em fibras podem barrar o avanço do câncer de próstata

Acompanhando de perto – A vigilância ativa consiste no monitoramento intenso da doença de um paciente, feito com a realização de uma série de exames, para que o médico controle a progressão da condição. Com isso, é possível adiar ou até evitar cirurgias e tratamentos intensos em certos casos. “Essa é a melhor estratégia para lidar com pacientes com baixo risco de câncer de próstata agressivo, mas ela é usada com pouca frequência. Há várias razões para isso, uma delas é que os homens não querem viver ansiosos pela possibilidade de apresentar um progresso da doença. Por isso, precisamos prever melhor quais tumores têm potencial para serem metastáticos e, assim, que precisam de fato ser monitorados”, diz Cooperberg.

Segundo os autores do estudo, o exame, portanto, além de identificar homens com um maior risco de desenvolver casos graves de câncer de próstata, também pode fazer com que pacientes menos propensos a apresentar progressão da doença sejam poupados dessa ansiedade, além de tratamentos desnecessários e efeitos adversos que poderiam ser evitados.

Essas conclusões foram obtidas após a equipe de pesquisadores avaliar a capacidade de 17 genes em fornecer informações sobre o risco de progresso do câncer de próstata. Depois, os autores aplicaram o teste em 395 homens de 38 a 77 anos de idade que haviam sido diagnosticados com a doença. A gravidade do tumor dos participantes variou de baixa para média. Os resultados do estudo foram divulgados nesta quarta-feira durante o encontro anual da Associação Americana de Urologia, em San Diego. Segundo os pesquisadores, o teste já está disponível nos Estados Unidos.