Ter pai com depressão aumenta chances de a criança sofrer com problemas emocionais e de comportamento

Embora influência da mãe seja maior, doença paterna é capaz de aumentar o risco de o filho ter problemas em seu desenvolvimento

Não são somente mães com depressão que podem influenciar negativamente o desenvolvimento dos filhos, como já observaram diversas pesquisas. Uma criança cujo pai tenha sintomas depressivos também pode apresentar maiores riscos de desenvolver algum problema comportamental ou emocional, de acordo com um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos. Os resultados, publicados nesta quinta-feira no periódico Maternal and Child Health Journal, também mostram que as chances são ainda maiores em filhos que têm pai e mãe depressivos.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores observaram uma amostra de 7.247 famílias. Eles analisaram características como saúde física e mental dos indivíduos, além de idade, raça e nível de escolaridade. Ao todo, 6% dos pais apresentaram sintomas depressivos.

Foi observado que 15% das crianças cujos pais tinham depressão apresentaram algum problema emocional ou comportamental. Esse índice foi de 6% entre aquelas que não tinham nem pai nem mãe com sintomas depressivos; 20% entre os filhos de mães com depressão; e 25% entre filhos tanto de pai quanto de mãe com depressão.

“Embora já tenha sido constatado que ter pai com depressão possa acarretar maior risco de distúrbios mentais no filho, essa é a primeira vez que fazemos um estudo em larga escala. “É preocupante esse resultado mostrando que uma em cada quatro crianças com pai e mãe com depressão apresenta problemas comportamentais e emocionais”, afirma Michael Weitzman, coordenador do estudo. De acordo com o pesquisador, esses dados reforçam a necessidade de as políticas públicas reconhecerem a influência da saúde dos pais sobre o bem-estar dos filhos.

Outros fatores – O estudo também indicou que, além da depressão experimentada pelos pais, há outros fatores que aumentam as chances de a criança ter distúrbios mentais, como pobreza (aumenta em 1,5 vez), necessidades especiais de saúde da criança (aumenta em 1,4 vez), pouca saúde física do pai (aumenta em 3,31 vezes) e desemprego paterno (aumenta em 6,5 vezes). Para os autores do estudo, foi uma surpresa observar como o desemprego paterno aumenta bastante as chances de uma criança ter distúrbios mentais.