Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

SP libera mamografia sem pedido médico

Medida vale para paciente de 50 a 69 anos, que poderá agendar o exame na rede pública a cada dois anos no mês de seu aniversário

A partir do dia 17 deste mês, mulheres de 50 a 69 anos não precisarão mais de pedido médico para realizar a mamografia em 300 unidades de saúde da rede estadual de São Paulo. No mês de seu aniversário, a paciente poderá procurar um dos hospitais, ambulatórios ou clínicas participantes do programa ou ligar para uma central telefônica e agendar o exame sem a necessidade de consultar um médico previamente.

A medida faz parte do programa Mulheres de Peito, anunciado oficialmente nesta quarta-feira pelo secretário de Estado da Saúde, David Uip, e pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

A mamografia sem pedido médico poderá ser feita a cada dois anos, seguindo recomendações oficiais como a do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Em 2014, somente mulheres nascidas em anos pares estarão autorizadas a marcar o exame e, no ano que vem, a mamografia será oferecida àquelas que nasceram em anos ímpares. Mas mulheres nascidas em ano ímpar que estão há mais de dois anos sem fazer o exame também poderão realizá-lo em 2014. “Não está proibido fazer o exame com uma frequência maior, mas para isso será preciso um pedido médico”, diz Alckmin.

Leia também:

Brasil terá 576 000 novos casos de câncer em 2014

Estudo indica tendência de queda em incidência e mortalidade de câncer no Brasil

OMS: Mortes por câncer de mama no mundo cresceram 14% em quatro anos

Embora o agendamento da mamografia pelo programa possa ser feito somente no mês de aniversário da paciente, mulheres nascidas no mês de janeiro também poderão marcar o exame em fevereiro, já que o programa ainda não havia entrado em vigor no mês passado.

“A avaliação do resultado será feita online, em 48 horas, por uma equipe a distância. Caso haja suspeita de câncer de mama, a mulher será encaminhada para ultrassom e biópsia e, em seguida, para o tratamento. Hoje, ela precisaria passar três vezes pelo médico para chegar a essa etapa”, diz David Uip.

A expectativa do governo é que sejam agendadas 500 mamografias por mês pelo programa. A secretaria espera que o exame seja realizado em até 45 dias após sua solicitação. Segundo David Uip, a separação das mulheres pelo mês de aniversário vai facilitar a organização da fila e propiciar que as pacientes sejam atendidas rapidamente.

Carretas – Também nesta quarta-feira, o secretário e o governador entregam, em Diadema, na Grande São Paulo, a segunda carreta equipada com mamógrafo. A primeira foi aberta há cerca de um mês no bairro de Santo Amaro, na zona sul de São Paulo. Nas carretas, mulheres entre 50 e 69 anos podem realizar o exame sem fazer o agendamento. Até o final do mês, o governo promete entregar outros dois caminhões do tipo: em Santo André e em Bauru.

Segundo David Uip, desde que foi aberta, a carreta de Santo Amaro realizou 1 220 laudos de exames de mamografia, 83 ultrassons e 24 biópsias, que detectaram câncer de mama em 19 mulheres. “A prevalência do câncer entre essas pacientes foi de 1,5%, uma taxa maior do que a literatura médica mostra, que é de 1,2%”, disse. Equipamentos – Um levantamento inédito da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) em 11 Estados brasileiros mostrou que um em cada oito mamógrafos instalados em hospitais públicos está sem uso. Falta de conserto de aparelhos quebrados e ausência de profissionais para operar os equipamentos são as principais causas para a não utilização do recurso, segundo a entidade. O estudo apontou ainda que pelo menos metade das cidades brasileiras com menos de 50 000 habitantes não tem mamógrafo. Doença – Dados do Inca divulgados nesta terça-feira revelaram que um quarto de todos os novos diagnósticos no Brasil esperados para 2014 será feito no Estado de São Paulo. O câncer de mama será o segundo mais prevalente entre as paulistas, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma, que costuma ser pouco agressivo. Estima-se que haverá 16 160 diagnósticos da doença neste ano no Estado. No mundo, o câncer de mama é o tipo mais prevalente da doença entre o sexo feminino, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

(Com Estadão Conteúdo)