Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Recomendação de exercícios deve ser mais realista, dizem especialistas

Pesquisadores questionam sugestão de 150 minutos semanais de exercício: para eles, fazer um pouco de atividade física já é melhor que não fazer nada

As atuais diretrizes de saúde sugerem que adultos se exercitem por 150 minutos semanalmente. Essa medida ajudaria a prevenir doenças cardíacas, controlar o peso e evitar enfermidades como o câncer. Dois artigos publicados nesta quarta-feira no periódico BMJ questionam essa recomendação. Para os pesquisadores, pacientes, especialmente os idosos, deveriam ser encorajados a praticar atividades físicas leves, em qualquer quantidade.

“As políticas e ações para promover atividade física deveriam focar em indivíduos totalmente sedentários”, afirma o pesquisador brasileiro Philipe de Souto Barreto, do Hospital Universitário de Toulouse, na França. Mais do que incentivar as pessoas a se exercitarem por 150 minutos semanais, diz Barreto, as campanhas precisariam mostrar que mesmo pequenas doses de exercícios oferecem benefícios.

Mortalidade – Barreto cita uma pesquisa com mais de 250.000 americanos adultos de 50 a 71 anos, segundo a qual praticar menos de uma hora de atividade física moderada ou 20 minutos de exercícios vigoroso por semana reduz o risco de mortalidade por todas as causas em 15% e 23%, respectivamente.

Leia também:

Idosos que começam a se exercitar envelhecem melhor

Cientistas estudam pílula que substitui exercício físico

Em um segundo artigo, pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Georgia, nos Estados Unidos, revelaram que idosos têm dificuldade para fazer exercícios em intensidade moderada e vigorosa. Por esse motivo, incentivar idosos a reduzir o tempo de sedentarismo e praticar atividades leves é uma maneira mais “realista de pavimentar um caminho à prática de exercício intenso”.

“Nós não estamos dizendo que o padrão de 150 minutos de exercícios semanais deva ser abandonado”, escreveram eles. “Em vez disso, nossa proposta é relembrar os médicos de que outras abordagens para idosos sedentários podem encorajá-los a se exercitarem.”

Fontes: Renato Dutra, educador físico e diretor técnico da Run&Fun Assessoria Esportiva; Clínica Mayo; Turíbio Leite de Barros, fisiologista do esporte e coordenador do Instituto Vita

(Da redação de VEJA.com)