Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quando a morte não é o fim da vida

Mulher grávida tem morte cerebral em Campo Grande (MS), mas gestação é mantida com aparelhos e o bebê chega à 27ª semana, em caso considerado raríssimo

Renata Souza Sodré, 22 anos, sonhava ter um filho. Já havia escolhido o nome (Yago, se fosse menino; Helena, se fosse menina), preparado o enxoval e a casa. Em 27 de janeiro, quando estava no quarto mês de gravidez, voltou mais cedo do serviço com fortes dores de cabeça. Enquanto tomava banho, perdeu a consciência e nunca mais acordou. Havia sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico e dificilmente se recuperaria. Três dias mais tarde, os médicos decretaram sua morte cerebral. O marido, Eduardo de Noronha, 25 anos, desesperou-se. Os médicos, então, vieram com a surpresa: o feto estava vivo. Tratava-se de uma gestação arriscada, mas cabia aos familiares decidir se queriam que ela fosse adiante. “Na mesma hora, decidimos. Queríamos ter aquela criança, mesmo que só houvesse 1% de chance de ela nascer”, contou Noronha a VEJA.

A tarefa mobilizou todo o hospital. Sem o comando do cérebro, os órgãos vitais precisam ser mantidos por aparelhos e medicamentos, que se encarregam da respiração, nutrição, temperatura, pressão e equilíbrio hormonal. A maior preocupação dos médicos é sempre o risco de infecções. O corpo de um paciente com morte cerebral libera toxinas que podem pôr em risco a saúde do bebê ou induzi-lo a um nascimento prematuro. O parto antes da 28ª semana é o que os médicos tentam evitar. A gestação de Renata entra nesta terça-feira na 27ª. No início do mês, o sexo da criança foi confirmado por meio de um dos tantos ultrassons que os médicos fazem diariamente. “Ele abriu as perninhas e eu tirei a prova: será Yago”, disse Noronha, que oscila entre momentos de alegria e tristeza ao presenciar uma vida que se vai e outra que chega.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. E tem uns que não acreditam em Deus! Quer prova maior da existência dele?

    Curtir

  2. Walter Déda

    Pois é, Aloisio B, se não fossem esses que não acreditam em Deus, ignorando toda a repressão das religiões, o conhecimento que torna este “milagre” possível não existiria. Galileu não me deixa mentir.

    Curtir

  3. Respeito seu ponto de vista.

    Curtir