Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Puberdade precoce ou tardia aumenta risco de doenças

A idade em que uma criança entra na puberdade pode ser um fator de risco para o desenvolvimento 48 problemas de saúde no futuro -- incluindo câncer e diabetes

Meninos e meninas que entram na puberdade muito cedo — ou muito tarde — possuem um fator de risco maior para o desenvolvimento de 48 problemas de saúde quando chegarem à vida adulta. É o que diz um estudo publicado na revista científica Scientific Reports.

A puberdade é um período de transformações físicas e psicológicas relacionadas à maturação sexual que traduzem a transição da infância à adolescência. Para o estudo, definiu-se como precoce as meninas que tiveram a primeira menstruação entre 8 e 11 anos. Já a tardia, após os 15 anos. No caso dos meninos, considerou-se que tiveram puberdade precoce aqueles que apresentaram alterações na voz entre 9 e 14 anos.

Após analisar os registros de saúde de 500 000 pessoas, os pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, viram que a idade do início da puberdade está associado ao desenvolvimento de doenças como a síndrome do intestino irritável, artrite, glaucoma, psoríase, depressão, câncer, problemas cardiovasculares, asma, obesidade e menopausa precoce.

De acordo com os resultados, os indivíduos – homens ou mulheres – que entraram muito cedo na puberdade apresentaram um risco 50% maior para diabetes tipo 2 e doenças cardíacas. Já no caso de puberdade tardia foi observado o aumento do risco de asma.

LEIA TAMBÉM:

Tratamento para TDAH desacelera o crescimento na puberdade, diz estudo

Meninas estão entrando na puberdade mais cedo

“Do ponto de vista biológico é fascinante ver que algo que acontece na adolescência possa influenciar no risco de doenças que só serão desenvolvidas na meia-idade. Considero isso surpreendente”, disse Felix Day, da Universidade de Cambridge e um dos autores do estudo à BBC.

Para os autores, está claro que o surgimento de doenças como o câncer podem ter relação com os hormônios. Por outro lado, eles afirmam que a ciência ainda não consegue explicar como o momento da puberdade impacta no aumento de outros problemas de saúde como a asma e glaucoma, por exemplo.

“É importante ressaltar que o aumento do risco atribuído à puberdade (tardia ou precoce) é muito pequeno e representa apenas um dos muitos fatores de risco para o desenvolvimento de outras doenças”, disse John Perry, pesquisador da Universidade de Cambridge e um dos autores do estudo.

(Da redação)