Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministério da Saúde amplia vacinação de adolescentes

Entre as novidades estão a inclusão dos meninos no público-alvo da vacina contra o HPV e a imunização de adolescentes contra meningite C

O Ministério da Saúde ampliou a oferta de vacinas para adolescentes. Em coletiva realizada nesta terça-feira, o ministério anunciou a inclusão de meninos no público-alvo da vacinação contra HPV e a disponibilização da imunização contra meningite C para adolescentes.

A partir de janeiro de 2017, meninos de 12 a 13 anos receberão a imunização contra o papilomavírus humano (HPV). O esquema vacinal será de duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. Já para os que vivem com HIV, o esquema é de três doses, com intervalo de dois e seis meses, respectivamente. Nesses casos, é necessário apresentar prescrição médica.

Ainda segundo o ministério, a faixa etária atendida será ampliada gradualmente até 2020, quando a vacina estará disponível para meninos de 9 a 13 anos. A expectativa da pasta é imunizar mais de 3,6 milhões de meninos em 2017, além de 99,5 mil crianças e jovens de 9 a 26 anos que vivem com HIV/aids no Brasil.

Segundo o governo federal, o Brasil será o primeiro país da América Latina e o sétimo no mundo a oferecer a vacina contra o HPV para meninos em programas nacionais de imunização. Estados Unidos, Austrália, Áustria, Israel, Porto Rico e Panamá já fazem a distribuição da dose para adolescentes do sexo masculino.

A inclusão segue a recomendação de sociedades médicas brasileiras como a Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Obstetrícia e Ginecologia e veio após estudos mostrarem que a inclusão dos meninos no público-alvo da vacinação contra a doença contribui para a diminuição do câncer de colo do útero e vulva das mulheres, já que isso possibilita a diminuição da circulação do vírus a população, o que beneficia o público feminino. O HPV é a principal causa de câncer de colo do útero. Além disso, os próprios meninos serão beneficiados, já que a vacina protege contra câncer de pênis, garganta, ânus e verrugas genitais.

Leia também:
Adesão à vacina contra o HPV é baixa. Entenda o porquê
Governo faz mudanças no calendário de vacinação

A vacina contra o HPV já faz parte do Programa Nacional de Imunizações desde 2014 e atualmente é indicada para meninas de 9 a 13 anos. A partir de 2017, também serão incluídas as meninas que chegaram aos 14 anos sem tomar a vacina ou que não completaram as duas doses.

Meningite

A ampliação da vacinação contra a meningite C para adolescentes de ambos os sexos com idade entre 9 e 13 anos ocorrerá de forma gradativa entre 2017 e 2020.

A estratégia busca reforçar a eficácia da imunização já aplicada em crianças de 3, 5 e 12 meses mas que, com o passar dos tempo, pode perder parte de sua proteção e também tem efeito protetor de imunidade rebanho (quando há proteção indireta de pessoas não vacinadas em razão da diminuição da circulação do vírus). A meningite é uma doença considerada endêmica no Brasil e o subtipo C é o mais frequente, representando cerca de 60% a 70% dos casos de meningite no Brasil. A meta do governo é vacinar 80% do público-alvo, formado por 7,2 milhões de adolescentes.

Segundo o ministério, a ampliação só foi possível graças a economia de R$ 1 bilhão por meio da revisão de contratos e redução de valores de aluguéis e outros serviços. Parte dos recursos está sendo investida na produção nacional da vacina pela Fundação Ezequiel Dias.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A vacina de HPV para as meninas tem muitos efeitos colaterais, inclusive levando a óbito.

    DICA : NÃO VACINE SEUS FILHOS COM ISSO QUE ESTÁ AÍ !

    A melhor vacina é o DIÁLOGO com seus filhos para eles não saírem por aí transando com todo mundo. Uma relação de FIDELIDADE dos 2 (não importa se hétero ou homo) é garantia para não pegar o HPV.

    Curtir

  2. Guilherme Silva

    Esse Otávio é um imbecil…

    Curtir