Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jejum na dieta pode causar diabetes

Pesquisa feita por médica da USP em ratos mostrou que jejum faz perder peso, mas causa alterações no metabolismo que levam ao desenvolvimento de diabetes e perda de massa muscular

“Descobrimos que os ratos sob regime de jejum produziam cerca de quatro vezes mais radicais livres em relação àqueles sob dieta controlada”

“Os animais que tiveram períodos intercalados de jejum perderam peso, mas pagaram caro: desenvolveram diabetes e perderam massa muscular”

Alicia Kowaltowski, médica e pesquisadora da USP

Péssima notícia para aqueles que estão acostumados a fazer jejum como forma de perder peso. Uma pesquisa apresentada durante a FeSBE 2011 (Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental) , no Rio de Janeiro, mostrou que, em modelos animais, intercalar períodos de jejum e comilança pode causar diabetes, perda de massa muscular e aumentar a produção de radicais livres. A pesquisa foi coordenada pela médica Alicia Kowaltowski, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), e publicada no periódico Free Radical Biology & Medicine.

O grupo de pesquisa de Alicia é especializado em estudar como diferentes dietas afetam o metabolismo energético. A médica explica que, em geral, um rato de laboratório simula o comportamento de uma pessoa que come descontroladamente e não pratica exercícios. “Eles ficam gordões e desenvolvem diabetes porque comem à vontade e não fazem nada o dia todo”, conta ao site de VEJA. O problema é que, para algumas pesquisas, um rato obeso e diabético não é o ideal. Nesse casos, é preciso preciso afinar a dieta do animal para que ele fique no peso ideal.

Desde 1935, sabe-se que a redução de calorias na alimentação do rato melhora a saúde do bicho. “Quando reduzimos a quantidade de comida de maneira ordenada, os ratos ganham forma e não desenvolvem diabetes”, explica Alicia. Esse controle, contudo, dá trabalho. “Temos que medir a massa de comida diariamente e ir acertando a quantidade para manter o rato no peso adequado.”

Preguiça dos pesquisadores – Cientistas da equipe de Alicia, liderados pela doutoranda Fernanda Cerqueira, perceberam que pesquisadores ao redor do mundo estavam utilizando uma técnica alternativa à redução calórica para fazer com que os ratos perdessem peso: o jejum. “É mais fácil: você intercala a dieta do animal com períodos de 24 horas de jejum e não precisa ficar medindo a quantidade de comida”, explica Alicia. “A confusão acontece porque os ratos também perdem peso dessa forma. As pessoas pensam que ficar sem comer por muito tempo e reduzir a quantidade de calorias é a mesma coisa.”

Para provar que a dieta de redução de calorias é diferente da dieta do jejum, os pesquisadores da USP montaram três grupos de ratos: o primeiro tinha uma dieta de redução de calorias cuidadosamente controlada. Comia todos os dias, mas sempre uma quantidade menor de comida. O segundo grupo fazia jejum de 24 horas entre uma refeição e outra, comendo, assim, uma vez a cada dois dias. No terceiro, de controle, os ratos podiam comer o quanto quisessem. Os bichinhos passaram pela bateria de testes durante nove meses.

Glossário

  1. Radicais livres
  2. São átomos (ou grupos de átomos) formados quando o oxigênio interage com algumas moléculas em especial. Elas podem criar uma reação em cadeia e causar danos nas células, levando-as à morte ou atrapalhando seu funcionamento correto. Os danos às células podem provocar envelhecimento, câncer e várias outras doenças.

Radicais livres e diabetes – A primeira coisa que Alicia percebeu nos ratos que faziam jejum foi a alteração no metabolismo da glicose, fonte de energia importante para o organismo. Esse grupo perdeu peso, mas pagou caro: a sensibilidade ao hormônio insulina ficou comprometida e os animais desenvolveram diabetes. Os ratinhos que tiveram a dieta controlada com a redução de calorias e comiam todos os dias não tiveram problemas.

Os resultados intrigaram os cientistas. Por que o animal que faz jejum intermitente fica incapaz de metabolizar a glicose? Alicia sugere uma explicação. “Isso pode acontecer porque a insulina age nas células por meio de um receptor específico, que pode ser danificado pela presença de radicais livres”, disse. Ou seja, períodos intercalados de jejum e comilança aumentam a produção de radicais livres, que atacam os receptores de insulina. “Descobrimos que os ratos sob regime de jejum produziam cerca de quatro vezes mais radicais livres em relação àqueles sob dieta controlada”.

Massa muscular – As desvantagens do jejum intermitente não param por aí. O grupo que ficou privado de comer não perdeu peso por redução de gordura, de acordo com Alicia. “A quantidade de gordura na barriga dos ratos que fizeram jejum era a mesma do grupo controle, que comia descontroladamente”, esclarece a médica. “Os animais que fizeram jejum perderam massa muscular.”

Isso quer dizer que os resultados podem ser parecidos em seres humanos? “Não necessariamente, mas a história mostra que o metabolismo energético em animais é muito semelhante ao nosso”, explica Alicia. “Por causa da pesquisa com animais sabemos que a redução calórica aumenta a expectativa de vida dos seres humanos. Todo mundo sabe que não se pode comer tudo que vemos pela frente”, disse. “Outro exemplo é a dieta rica em gordura, que tanto em seres humanos quanto em animais levam à obesidade e aumentam a incidência de várias doenças”.

Futuro – Com a conclusão da pesquisa, outras perguntas surgiram. O grupo agora vai tentar responder por que a dieta intermitente causa perda muscular e aumenta a produção de radicais livres. Alicia não pretende testar os resultados em seres humanos, mas disse que é muito comum outros grupos científicos retomarem o trabalho a partir de certo ponto.

Uma forma de verificar os resultados é consultar o banco de dados de outras pesquisas que incluam o jejum em seres humanos e tenham registros sobre os níveis de glicose e radicais livres dos participantes. “É possível que outros laboratórios se interessem pelos resultados e usam nossas descobertas para testes diretamente com seres humanos”, disse.