Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grã-Bretanha vai oferecer tratamento preventivo para mulheres com risco elevado de câncer de mama

O uso de medicamentos por cinco anos pode reduzir em até 40% as chances de desenvolvimento da doença

Cerca de meio milhão de mulheres da Grã-Bretanha com risco de desenvolver câncer de mama poderão fazer um tratamento preventivo fornecido pelo serviço público de saúde (National Health Service), de acordo com novas diretrizes médicas divulgadas nesta terça-feira.

O Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica, que elabora as diretrizes de atuação para a saúde pública, acredita que o tratamento preventivo – um comprimido diário de tamoxifeno ou raloxifeno por cinco anos – pode reduzir o risco da doença entre 30% e 40%.

O tratamento será proposto a mulheres a partir de 35 anos de idade, com risco moderado ou alto de desenvolver este câncer. O câncer de mama é o mais comum no Reino Unido, e cerca de uma em cada cinco pacientes que contraem a doença têm antecedentes familiares.

Leia também:

Pesquisa identifica possível origem do câncer de mama

Retirar as mamas não é a única alternativa para casos como o de Angelina Jolie

Mastectomia – A medida deve reduzir também o número de cirurgias relacionadas à doença, como a mastectomia dupla, à qual se submeteu recentemente a atriz Angelina Jolie, de 37 anos, portadora de um risco genético elevado. De acordo com o Nice, o tratamento preventivo permitirá que o sistema público de saúde poupe verbas significativas neste momento de cortes nos serviços públicos.

O tamoxifeno tem sido utilizado há 40 anos no Reino Unido para o tratamento de câncer da mama, enquanto que o raloxifeno é utilizado especialmente para combater a osteoporose na menopausa.

Gareth Evans, consultor de genética clínica do hospital St. Mary’s e um dos especialistas que ajudaram a desenvolver as recomendações, afirmou que este tratamento será um “avanço” para livrar as mulheres do “estresse e do trauma do diagnóstico, e potencialmente da radioterapia e da quimioterapia”.

(Com Agência France-Presse)