Governo inclui vacina contra hepatite A no calendário básico

A partir deste mês, poderão ser imunizadas pelo SUS crianças de 1 ano a 1 ano e 11 meses. Vacina será oferecida em dose única e proteção dura a vida toda

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira que vai incluir a vacina contra hepatite A no calendário nacional de vacinação a partir deste mês. Poderão ser imunizadas pela rede pública crianças de 1 ano a 1 ano e 11 meses. A pasta pretende vacinar 95% desse público, que é formado por 2,9 milhões de crianças, em um período de um ano.

A vacina será oferecida em dose única. Segundo o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a proteção da vacina é permanente, ou seja, dura a vida toda. Com a inclusão, o Sistema Único de Saúde passa a disponibilizar catorze vacinas e todas as imunizações recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Leia também:

O perigo de não vacinar as crianças

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil apresenta uma queda de hepatite A entre a população desde 2006. Entre aquele ano e 2013, foram registrados mais de 151.000 casos da infecção e, de 1999 a 2012, 761 mortes pela doença. A pasta estima que haverá uma redução de 64% nos casos e de 58% nas mortes por hepatite A com a distribuição da vacina.

A vacina estará disponível a partir deste mês nos Estados do Acre, Rondônia, Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Pernambuco, Distrito Federal. Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. A partir de agosto, também passarão a oferecer as doses o Amazonas, Amapá, Tocantins, Bahia, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina. São Paulo, Paraná e Roraima vão incluir a vacina na rede pública a partir de setembro.

A vacina de hepatite é alvo de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo entre o Ministério da Saúde, o laboratório da Merck Sharp e o Instituto Butantã. A expectativa é a de que até 2018 a incorporação de tecnologia pelo instituto brasileiro esteja concluída.

A doença – A hepatite A é uma doença viral que ataca o fígado. Segundo a OMS, há cerca de 1,4 milhão de casos da moléstia ao no mundo. O vírus que causa a doença pode ser transmitido pela a ingestão de água e alimentos contaminados. Por isso, a hepatite A é associada a ambientes com falta de água potável. A OMS considera o saneamento básico e a vacinação como as melhores formas de prevenir a infecção.

Este ano, outra vacina deverá ser incorporada no SUS: a DTP acelular para grávida. A expectativa é de que isso ocorra até o fim de 2014.

(Com Estadão Conteúdo)