Falta de sono pode afetar o sexo – e vice-versa

Segundo as pesquisas, a qualidade do sono e da vida sexual estão associadas: a deficiência de uma pode afetar negativamente a outra

Você se sente cansado demais para fazer sexo? Saiba que você não está sozinho. Estudos mostram que a falta de sono interfere sim na vida sexual. Por outro lado, a falta de sexo também afeta negativamente o sono, segundo informações da rede americana CNN.

Um estudo publicado recentemente no periódico científico da Sociedade Norte Americana de Menopausa (NAMS, na sigla em inglês) mostrou que mulheres acima de 50 anos que dormem menos de sete horas por noite são menos propensas a serem sexualmente ativas do que aquelas que dormem mais, e isso só tende a piorar.

Veja também

Mas não são só elas que são afetadas por uma noite mal dormida. Outro estudo, publicado no Journal of Sexual Medicine, mostrou que homens com apneia obstrutiva do sono, condição marcada pelo ronco e dificuldade ao respirar, têm menor frequência e desejo sexual, em comparação com aqueles sem o problema.

No primeiro caso, os pesquisadores acreditam que a insônia e outras perturbações do sono causadas pela menopausa sejam culpadas pelas noites mal dormidas e consequente falta de disposição das mulheres. Já nos homens com apneia do sono, há uma redução dos níveis reduzidos de testosterona e aumento do risco de problemas cardiovasculares, que podem estar associados à disfunção erétil e outras dificuldades sexuais.

Sono regulado contribui para o desejo sexual

A ciência mostrou que é um ciclo vicioso: a falta de sono prejudica a vida sexual e a falta de sexo afeta o sono. A prova disso está em um estudo feito pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, que analisou a vida sexual de estudantes universitárias em relacionamentos estáveis. Os resultados mostraram que cada hora extra de sono, equivalia a melhores níveis de lubrificação vaginal, maior desejo sexual e maiores chances de as mulheres se engajarem em relações sexuais no dia seguinte.

Embora outros fatores, como alimentação, atividade física e nível de stress influenciem o comportamento e o desejo sexual, a falta de sono parece ser a principal responsável nessa categoria. Estudos anteriores mostraram que mulheres que dormem mais à noite sentem mais desejo no dia seguinte.

“Estar cansada demais é uma das principais causas da falta de desejo. Muitas delas dizem que a questão é o cansaço e não algum problema no relacionamento.” disse Laurie Mintz, professora de psicologia na Universidade da Florida, à CNN .

Segundo Ian Kerner, especialista em terapia de casais e sexologia, uma boa noite de sono nos deixa mais relaxados e energizados, que contribuem para o aumento da libido.

Sexo e sono

Que a falta de sono afeta a vida sexual não é novidade, afinal, uma pessoa cansada não terá ânimo para se engajar em outra atividade. Mas, provavelmente, você está se perguntando de que forma a falta de sexo afeta o sono. Simples. As reações químicas que o orgasmo provoca no corpo, ajudam a relaxar e adormecer. A oxitocina, por exemplo, hormônio liberado após o orgasmo, reduz os níveis de cortisol, conhecido como hormônio do stress, resultando em um relaxamento profundo.

A prática sexual também possui benefícios específicos para cada gênero. “Nas mulheres, os níveis de estrogênio aumentam após o sexo, o que contribui para melhor qualidade do sono REM (do inglês, “movimento rápido dos olhos”, a fase do sono em que sonhamos). Já nos homens, o hormônio prolactina é secretado depois do orgasmo e também está associado à qualidade do sono.”, disse Rachel Needle, codiretora do Modern Sex Therapy Institutes, nos Estados Unido, à CNN.

Veja também

Ciclo vicioso

Mas, é possível sair desse ciclo vicioso? Sim. Por exemplo, para dormir melhor, o segredo é apagar a luzes uma hora antes e desativar os aparelhos eletrônicos, que podem atrapalhar tanto o sono quanto a vida sexual. Usar smartphones antes de dormir pode, por exemplo, interromper o processo de adormecer ou possíveis relações com o parceiro.

Para manter uma vida sexual sempre ativa a recomendação é ter ‘encontros sexuais’ marcados e uma vida sexual planejada. “Essas experiências podem ser planejadas para momentos em que não estejam tão cansados, aliviando tensões e conflitos.”, disse Laurie.

No entanto, o sexo não é a única saída. Depois de um dia intenso e cansativo, apenas dormir junto com o parceiro pode ajudar a liberar oxitocina, melhorando a qualidade do sono.