Exercício físico melhora desempenho escolar, diz estudo

Pesquisa revelou que adolescentes e crianças com habilidade motora e capacidade cardiorrespiratória boas tinham notas mais altas do que aqueles com vigor físico inferior

Praticar exercício físico na infância e na adolescência pode ser benéfico não apenas à saúde, mas também ao boletim escolar, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira no periódico Journal of Pediatrics.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Independent and Combined Influence of the Components of Physical

Fitness on Academic Performance in Youth

Onde foi divulgada: periódico Journal of Pediatrics

Quem fez: Irene Esteban-Cornejo, Carlos Ma. Tejero-Gonz�alez, David Martinez-Gomez, Juan del-Campo, Ana Gonz�alez-Galo, Carmen Padilla-Moledo, James F. Sallis e Oscar L. Veiga

Instituição: Universidade Autônoma de Madri, na Espanha

Resultado: Pesquisadores descobriram que crianças com boa capacidade cardiorrespiratória e a habilidade motora têm melhor desempenho acadêmico do que aquelas com níveis cardiorrespiratórios e motores inferiores.

Melhora da capacidade cardiorrespiratória, força muscular e habilidade motora são benefícios comprovados da atividade física à saúde. Como cada um desses fatores exerce efeitos sobre o cérebro, pesquisadores decidiram investigar se eles poderiam, de alguma forma, impactar o desempenho acadêmico.

Leia também:

Atividade física intensa previne ganho de peso no futuro

Atividade física inibe apetite por alimentos calóricos

Os cientistas analisaram dados sobre rotina de exercícios, composição corporal e desempenho escolar de 2.038 crianças e adolescentes de seis a dezoito anos, na Espanha. Eles constataram que os participantes com boa capacidade cardiorrespiratória e habilidade motora tiravam melhores notas do que os voluntários com desempenho inferior nesses quesitos. A força muscular não mostrou relação com o boletim.

“Ter uma boa capacidade cardiorrespiratória e habilidade motora pode, até certo ponto, reduzir o risco de fracasso escolar”, diz Irene Esteban-Cornejo, coautora do estudo e pesquisadora da Universidade Autônoma de Madri, na Espanha. O estudo realça a necessidade de realizar esforços para promover a prática de atividade física na infância e na adolescência.