Excesso de peso ainda afeta a maioria dos brasileiros

Dados do Ministério da Saúde mostram que 50,8% da população do país está acima do peso, sendo que 17,4% tem obesidade

A prevalência de sobrepeso ou obesidade entre os brasileiros no ano passado se manteve semelhante à de 2012 – ou seja, mais da metade da população do país ainda enfrenta problemas com a balança. No entanto, em oito anos, é a primeira vez em que essa taxa deixou de crescer.

Esses dados fazem parte do Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), levantamento anual feito pelo Ministério da Saúde e cujos dados mais recentes foram divulgados nesta quarta-feira. A pesquisa, que traz um diagnóstico da saúde do brasileiro, coletou informações de cerca de 53 000 pessoas com mais de 18 anos de todas as capitais e do Distrito Federal, de julho de 2012 a fevereiro de 2013.

Leia também:

Mortes por obesidade triplicam no Brasil em 10 anos

Número de fumantes cai 20% em seis anos no Brasil

De acordo com o levantamento, em 2013 50,8% dos brasileiros estavam acima do peso ideal – desses, 17,5% tinham obesidade. No ano anterior, os números foram praticamente os mesmos: 51% das pessoas tinham excesso de peso, sendo que 17,4% eram obesas. Foi em 2012 a primeira vez em que o excesso de peso passou a atingir mais da metade da população do país. A pesquisa também mostrou que o excesso de peso é mais comum no sexo masculino: 54,7% dos homens estão acima do peso, contra 47,4% das mulheres. Já a taxa de obesidade é equivalente em ambos os sexos.

O nível de escolaridade parece ser um fator importante para o risco de excesso de peso. Segundo o estudo, entre mulheres que estudaram durante até oito anos, 58,3% estão acima do peso ideal, sendo que 24,4% são obesas. Já entre aquelas que estudaram ao longo de doze anos ou mais, a prevalência de excesso de peso é de 36,6%, e de obesidade, 11,8% – menos da metade das mulheres com menor nível de escolaridade.

“O maior acesso à informação pode ter um peso importante nesse resultado. Isso é fundamental porque demonstra claramente que é possível persistir e ampliar as políticas publicas para expandir os resultados que temos nos mais escolarizados para as outras faixas”, afirma o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.

Hábitos – Um dos resultados positivos do Vigitel mostra que os brasileiros estão cada vez mais ativos. A prática de atividade física durante o tempo livre aumentou de 30,3% para 33,8% nos últimos cinco anos.

Além disso, os hábitos alimentares das pessoas estão melhorando, embora a minoria da população siga a recomendação da Organização Mundial da Saúde de consumir ao menos cinco porções ao dia de frutas e hortaliças. Atualmente, 19,3% dos homens e 27,3% das mulheres seguem a indicação da entidade – taxa 18% maior do que há oito anos. Além disso, a prática de atividade física durante o tempo livre aumentou de 30,3% para 33,8% nos últimos cinco anos. Porém, 16,5% dos brasileiros costuma substituir o almoço ou o jantar por alimentos como pizzas e lanches; e quase um quarto (23,3%) bebe refrigerante pelo menos cinco dias por semana.

Saúde – Ainda segundo o levantamento, pouco mais de um em cada dez brasileiros (11,3%) é fumante. A taxa de tabagismo hoje é 28% menor do que há oito anos, quando 15,7% das pessoas fumavam no país. Por outro lado, o número de indivíduos que vivem com o diagnóstico de diabetes cresceu no país – de 5,5% da população em 2006 para 6,9% em 2013. Já a taxa de hipertensos no Brasil, que é de 24,1%, se manteve semelhante à do ano anterior.