Dorminhocos podem ter mais risco de sofrer um AVC, diz pesquisa

Estudo aponta que pessoas que dormem mais de oito horas por noite têm 46% mais probabilidade de sofrer um derrame cerebral

Um estudo apontou que pessoas que dormem mais de oito horas por noite têm 46% mais probabilidade de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) do que pessoas que dormem entre seis e oito horas. A pesquisa foi publicada na quarta-feira, na edição online do periódico Neurology, da Academia Americana de Neurologia.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores acompanharam os hábitos de sono de 9 692 pessoas, por nove anos. No início do estudo, nenhuma delas tinha sofrido um AVC e, no decorrer da pesquisa, 346 pessoas tiveram um derrame.

Leia também:

Derrame: ameaça à saúde feminina

Conheça onze maneiras de prevenir um AVC

Além disso, aqueles que mudaram seus hábitos de sono no decorrer da pesquisa, passando de menos de seis horas dormidas por noite para mais de oito horas, mostraram quatro vezes mais propensão de sofrer um derrame, em comparação com quem manteve o mesmo padrão ao longo do estudo.

Mais estudos – Para uma das autoras do estudo, Yue Leng, pesquisadora da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, mais pesquisas são necessárias para entender a associação entre horas dormidas e AVC. “Ainda não sabemos se a longa quantidade de sono é causa, consequência ou marcador precoce de problemas de saúde”, disse.

(Da redação de VEJA.com)

Fontes: Adriana Conforto, neurologista chefe do Grupo de Doenças Cerebrovasculares do Hospital das Clínicas, em São Paulo; Álvaro Pentagna, neurologista do Hospital São Luiz Itaim, em São Paulo; Antonio Cezar Galvão, neurologista do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, em São Paulo; Caio Focássio, cirurgião vascular da Santa Casa de São Paulo e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular; Elizabeth Batista, neurologista coordenadora de neurologia do hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro.​