Descoberto o gene responsável pela enxaqueca

Cientistas se debruçam a cada dia no objetivo de desvendar as causas da enxaqueca – doença que afeta 15% da população brasileira. Na pesquisa mais recente, da Universidade de Oxford, descobriu-se que essas dores estão diretamente relacionadas a um defeito genético. Segundo os médicos, o gene TRESK é o principal responsável por desenvolver a doença em 20% das mulheres e em 10% dos homens.

De acordo com o estudo, o centro de dor sensível do cérebro é ativado mais facilmente quando há uma falha no funcionamento do TRESK, o que resulta em dores de cabeça severa. “Pesquisas anteriores já apontavam que algumas partes do DNA poderiam aumentar os riscos desse tipo específico. Nós descobrimos que a enxaqueca, provavelmente, depende de quão sensíveis são nossos nervos na região que comanda a dor no cérebro”, afirma Zameel Cader, médico e membro da equipe responsável pelo estudo.

A enxaqueca é um tipo de dor de cabeça severa e com duração prolongada, geralmente sentida nas regiões frontal e lateral da cabeça. Algumas pessoas podem ter um distúrbio de alerta visual antes do início da cefaleia, chamado de aura, e muitas apresentam náuseas e sensibilidade à luz durante as crises. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esta doença é uma das principais causas de incapacidade no mundo e a enfermidade neurológica mais cara da Europa.

Veja também: Em vídeo, o neurologista Mario Peres tira dúvidas sobre dor de cabeça e enxaqueca