Descoberta pode impulsionar novos tratamentos para fibrose cística

Cientistas concluíram que equilíbrio, e não a ausência, de bactérias no pulmão pode ajudar a tratar doenças pulmonares crônicas

Uma pesquisa feita na Universidade Stanford, nos Estados Unidos, pode alterar a forma como é tratada a fibrose cística – doença hereditária que faz com que determinadas glândulas do corpo produzam secreções anômalas, desencadeando lesões nos pulmões e no trato gastrointestinal. As conclusões do estudo foram publicadas nesta semana na revista Science Translational Medicine.

Saiba mais

PROBIÓTICOS

São microrganismos ‘do bem’, bactérias (como os lactobacilos) que contribuem para o bom funcionamento do organismo. Nos intestinos grosso e delgado, ajudam a regular movimento peristáltico e síntese de vitaminas, por exemplo, além de auxiliar no equilíbrio entre as bactérias que habitam os intestinos. Os probióticos estão presentes em alimentos como os iogurtes, mas podem ser adquiridos também em suplementos alimentares.

Atualmente, o tratamento contra fibrose cística consiste no uso de antibióticos a longo prazo. Quando a doença afeta os pulmões, as pequenas vias aéreas são bloqueadas por secreções espessas. É nesse ‘muco estagnado’ que as bactérias conseguem crescer e se espalhar, tornando crônicos os quadros inflamatórios nos pulmões.

Até a publicação desse estudo, considerava-se que o que diferenciava os pulmões de pessoas com e sem fibrose cística era simplesmente a presença de comunidades de bactérias. No entanto, os pesquisadores americanos descobriram que os indivíduos saudáveis também têm bactérias em seus pulmões, e que a boa saúde dos órgãos depende não da ausência desses microrganismos, mas sim do equilíbrio entre eles – assim como ocorre com a flora intestinal.

Leia também:

Especialista tira dúvidas sobre fibrose cística

A partir dessa descoberta, então, os cientistas buscaram entender qual é, de fato, a diferença entre os pulmões de pessoas saudáveis e os de indivíduos com fibrose cística. Para isso, eles sequenciaram o genoma dos micróbios existentes no muco dos pulmões de 16 indivíduos com fibrose cística e de nove pessoas saudáveis.

Diversidade – Os autores descobriram que pacientes com fibrose cística apresentam um grupo de bactérias em seus pulmões que não existe entre indivíduos saudáveis. Apesar disso, eles têm uma diversidade “muito menor” de bactérias que vivem nos pulmões. A conclusão da pesquisa, portanto, é de que doenças pulmonares graves não estão ligadas à quantidade geral de bactérias, mas sim de uma menor diversidade dos organismos e da maior presença de um determinado grupo de micróbios.

Para o coordenador do estudo, David Cornfield, esses achados abrem portas para potenciais tratamentos à base de probióticos, que são bactérias ‘do bem’, como os lactobacilos, que ajudam a manter a flora intestinal saudável, auxiliando no equilíbrio entre as bactérias que habitam os intestinos. Segundo ele, o mesmo poderia ser feito nos pulmões. “Eles teriam um efeito similar quando são dados para manter a flora intestinal saudável. Eles seriam dados antes de os médicos precisarem entrar com antibióticos”, disse o pesquisador ao site de VEJA.

Opinião do especialista

Neiva Damaceno

Pneumologista responsável pelo laboratório de fibrose cística da Santa Casa, em São Paulo

“Esse artigo e é muito importante. Ele traz uma nova informação sobre a existência de um microbioma em indivíduos saudáveis e que difere do padrão encontrado nos pacientes com fibrose cística. Isso poderá ter implicações futuras para mudanças no tratamento da doença pulmonar.

A diferença entre pessoas saudáveis e com a doença está, portanto, na diversidade. Então, talvez a chave para o tratamento esteja em encontrar uma forma de reestabelecer o microbioma dos pulmões de pacientes com fibrose para que eles se assemelhem ao dos indivíduos sem a condição. Essa é a base de tratamentos contra problemas da flora intestinal.”