Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Descoberta enzima responsável pela metástase do câncer

Substância inibe proteínas que evitam que tumor se espalhe

“Drogas específicas, que tenham ação no bloqueio dessa enzima, podem ser alternativas mais eficientes na prevenção da metástase”

Janine Erler, pesquisadora do Institute of Cancer Research

Cientistas do Institute of Cancer Research, da Inglaterra, anunciaram a descoberta da peça-chave no processo de desencadeamento da metástase no câncer. Segundo os pesquisadores, a enzima lisil oxidase-like 2 (LOXL2) é a responsável pela difusão do tumor pelo corpo inibindo a ação de duas proteínas, a TIMP1 e a MMP9 – que naturalmente evitam que a doença se espalhe. O estudo foi publicado no periódico americano Cancer Research.

De acordo com a pesquisa, 90% dos casos de morte por câncer acontecem depois que a doença se espalha por órgãos vitais, como pulmão, fígado e ossos. Com a nova descoberta, os cientistas pretendem desenvolver drogas mais eficientes que aprimorem o tratamento da doença, atuando diretamente no bloqueio da LOXL2. Isso evitaria que o tumor sofra metástase.

Altos níveis de LOXL2 estão relacionadas ainda a formas mais agressivas de câncer. Isso significa que testes que mensurem a concentração da enzima no organismo poderão melhorar o tratamento de pacientes que já apresentam os tipos mais agressivos da doença, além de identificar quais indivíduos têm tendências a desenvolvê-los.

No estudo, a enzima foi avaliada em casos de câncer de mama, segundo tipo de câncer mais comum no mundo e o mais frequente entre mulheres. Só no Brasil, estima-se que cerca de 50.000 novos casos foram diagnosticados em 2010, com taxa de mortalidade ao redor de 57%. Mas a enzima foi encontrada ainda em casos de câncer de colo e de esôfago.

“Nosso estudo mostra que inibir a ação da LOXL2 pode reduzir significativamente a metástase do câncer de mama. Isso sugere que drogas específicas, que tenham ação no bloqueio dessa enzima, podem ser alternativas mais eficientes na prevenção da metástase”, diz Janine Erler, pesquisadora líder do estudo.