Depoimento: ‘Eu estou com gripe A’

Como se sente, afinal, uma pessoa que contraiu a gripe A? VEJA.com entrevistou por telefone a estudante de jornalismo Nathália Prosperi, de 22 anos, que recebeu diagnóstico positivo para o vírus influenza A (H1N1) nos últimos dias, em São Paulo. Confira a seguir o depoimento dela.

Como você pegou a nova gripe?

Eu peguei carona com uma amiga, que tinha acabado de voltar da Argentina. Saí com ela na sexta-feira: no domingo, já comecei a me sentir mal.

Quais eram os sintomas?

Na segunda-feira, tive tosse, dor no corpo, dor nos olhos, uma certa moleza.

Você sabia que era gripe A?

Eu estava informada, mas não achava que era meu caso. Quando a minha amiga me ligou avisando que o caso dela tinha sido confirmado, fui para o hospital.

Como foi sua reação?

Na hora, até achei engraçado. Pensei: “Nossa, estou gripe suína!” Mas não cheguei a ficar tão preocupada. Falta informação sobre o que acontece com uma pessoa com a gripe. Ninguém entende que é uma gripe como qualquer outra: o problema é que, se o seu sistema imunológico estiver ruim, você sofre mais.

Como é o tratamento?

Recebi uma série de recomendações e também remédios para o tratamento, antes mesmo de sairem os resultados. Se o caso é confirmado, os medicamentos são enviados para sua casa. E só posso sair de casa quando a medicação acabar. Eles entram em contato comigo toda hora. Só ontem a Vigilância Epidemiológica me ligou três vezes.

Você está bem agora?

Estou me sentindo super bem. Só tenho um pouco de dor nos olhos. Se não fosse a recomendação de ficar em casa, para não passar o vírus para outras pessoas, eu já teria saído de casa.

E na sua casa, como ficou a convivência com a família?

Eu divido o quarto com a minha irmã, que agora teve que ir para outro quarto. Evito usar os mesmos objetos que eles usam: tenho, por exemplo, uma garrafinha de água só para mim. No começo, eu até coloquei uma máscara, mas não dá para ficar com ela o dia inteiro. Fico a maior parte do tempo no meu quarto, só coloco a máscara quando vou conversar com a minha família.

Alguém de sua casa apresentou sintomas?

Só o meu irmão, de 15 anos, que começou a ter febre de 40º C. Agora ele está deitado e um pouco pior do que eu. Ele já foi fazer o teste, mas ainda não saiu o resultado. Se ele estiver, vai mudar para o meu quarto.

Você sofreu algum tipo de preconceito?

Não. O pessoal tira um sarro, falando que não me quer por perto. Mas quando surgiu a suspeita do meu caso, meu irmão foi mandado embora da escola. Já o meu tio comentou no trabalho sobre o meu caso e, apesar de nem ter tido contato comigo, recebeu uma folga na empresa.

E como foi a reação das pessoas à sua volta?

Todo mundo ligou, meu telefone não parou de tocar. Minha tia, minhas amigas, todo mundo achou que eu ia morrer. O pessoal começa a delirar. Conheço duas meninas que pegaram a gripe suína, a que me passou e mais mais: elas querem me visitar.