Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cumprimento com o punho é mais higiênico do que aperto de mãos

Experimento realizado por pesquisadores britânicos mostrou que o nível de transmissão de germes durante o chamado 'fist bump' chega a ser 90% menor

O aperto de mãos não é a forma mais higiênica de cumprimentar alguém. Segundo uma nova pesquisa britânica, a transmissão de germes é muito menor quando as pessoas usam o fist bump, expressão em inglês para o cumprimento com a mão fechada.

No experimento, o professor da Universidade Aberywstwyth Dave Witworth e a aluna de doutorado Sara Mela usaram luvas contendo uma espessa camada da bactéria E. coli. Eles trocaram aperto de mãos, high fives (quando a palma da mão de uma pessoa encosta na de outra) e o cumprimento com os punhos. Depois, a dupla realizou testes para verificar em que caso a transmissão de microrganismos foi maior.

Leia também: Apenas 5% das pessoas lavam as mãos corretamente

Os especialistas concluíram que o aperto de mãos foi o cumprimento que provocou a maior transmissão da bactéria. O contágio chegou a ser 90% maior em comparação ao cumprimento com a mão fechada e 50% mais elevado do que com o high five. Ainda de acordo com a dupla, a transmissão de microrganismos é maior quanto mais forte for o aperto de mão.

Barack Obama cumprimenta um soldado americano com o famoso 'fist bump', durante uma visita a Camp Victory, no Iraque

Barack Obama cumprimenta um soldado americano com o famoso ‘fist bump’, durante uma visita a Camp Victory, no Iraque (VEJA)

Segundo os pesquisadores, o cumprimento com os punhos geralmente é mais rápido do que o aperto de mãos, o que reduz a transmissão de micróbios. Além disso, nesse caso, a área de contato com a mão da outra pessoa é menor, fator que também ajuda a explicar o contágio reduzido.

“As pessoas raramente pensam sobre as implicações para a saúde de apertar as mãos. Se o público em geral for encorajado a usar o fist bump, há um genuíno potencial de reduzir a propagação de doenças infecciosas”, diz Witworth. A pesquisa será publicada na edição de agosto do periódico American Journal of Infection Control.