Consumo frequente de álcool cresceu 20% nos últimos seis anos

Levantamento aponta que a ingestão nociva de bebidas alcoólicas teve aumento de 30%. As mulheres estão no grupo com maiores riscos

O número de brasileiros que ingerem bebida alcoólica frequentemente (uma vez por semana ou mais) aumentou 20% nos últimos seis anos – subiu de 45% para 54% entre bebedores. Os dados fazem parte da segunda edição do Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), divulgado nesta quarta-feira pela Universidade Paulista de Medicina (Unifesp). Segundo o estudo, metade da população brasileira não consome bebida alcoólica em nenhuma circunstância. Mas, dentro da outra metade (48%) que é consumidora, a ingestão nociva da bebida sofreu um aumento de 30%.

Efeitos prejudiciais de beber:

• 32% dos adultos que bebem disseram já não ter sido capazes de parar depois de começar a beber (21.8 milhões de pessoas)

  1. • 10% declararam que alguém já se machucou em consequência do seu consumo de álcool (6.6 milhões de pessoas)
  2. • 8% admitem que o uso de álcool já teve efeito prejudicial no seu trabalho (7.4 milhões de pessoas)
  3. • 4,9% dos bebedores já perderam o emprego devido ao consumo do álcool (4,6 milhões de pessoas)
  4. • 9% admitem que o uso de álcool já teve efeito prejudicial na família ou em seu relacionamento (12,4 milhões de pessoas)
  5. * Fonte: Lenad 2012

Na primeira edição do Lenad, em 2006, 45% dos brasileiros que bebem afirmaram consumir bebidas alcoólicas pelo menos uma vez na semana. Em 2012, esse número saltou para 54%, um aumento de 20%. Proporcionalmente, o aumento no consumo foi mais expressivo entre as mulheres que bebem. Em 2006, 29% delas consumiam a bebida frequentemente. Em 2012, o número subiu para 39% – um aumento de 34,5%. “Uma hipótese para esse aumento no grupo feminino pode ser o maior número das publicidades voltadas para as mulheres“, diz Ronaldo Laranjeira, coordenador do levantamento e professor da Unifesp.

As mulheres são ainda o grupo que apresenta maiores riscos em relação ao beber de forma nociva (alto consumo de álcool em um curto período de tempo). O beber em binge, termo em inglês usado para caracterizar o consumo de grandes quantidades de álcool (4 doses para mulheres, 5 para homens) em um curto espaço de tempo (cerca de duas horas), também teve um aumento maior entre elas. Em 2006, 36% das mulheres que consumiam álcool relataram beber em binge. Em 2012, esse número subiu para 49%, um salto proporcional de 36% – dentro da população total que consome álcool o aumento foi de 31,1%. De acordo com a pesquisa, o aumento no consumo entre as pessoas que já bebiam álcool pode ser relacionada a uma melhor condição financeira. “A população, em geral, subiu uma classe social. Quem não bebe, investiu esse dinheiro em outras coisas. Quem já bebia, acabou bebendo mais”, diz Laranjeira.

Leia também:

Projeto de lei prevê inclusão de imagens de advertência em rótulo de bebidas alcoólicas

Abuso – Os dados do levantamento mostraram ainda que 5% dos adultos que mais bebem consomem 24% de todo o álcool ingerido por adultos no Brasil. Entre os 48% que consomem álcool, 16% ingerem quantidades nocivas de álcool e 17% apresentam critérios para classificação de abuso e/ou dependência. O abuso é caracterizado por uma ingestão alcoólica que coloca a pessoa em situações de risco, como se envolver em brigas e discussões. Já a dependência está mais relacionada ao hábito constante de consumo, afetando o cotidiano da pessoa e podendo até mesmo levar a crises de abstinência. “O álcool está relacionado com casos de violência doméstica e contra a criança. Esse é um problema de saúde pública que precisa ser controlado”, diz Laranjeira. A bebida está ainda relacionada com problemas sérios de saúde. Segundo Laranjeira, o álcool pode causar problemas cardíacos, como arritmias e hipertensão, além de estar vinculado a 30% de todos os tipos de câncer.

Para o especialista, políticas públicas como a Lei Seca resolvem apenas o problema pontual de dirigir embriagado. “No caso do álcool, é necessário que se tenha políticas que desestimulem o consumo, como o aumento no preço das bebidas e restrições nos horários de venda”, diz. A intervenção poderia ajudar ainda a reduzir casos de violência em decorrência do álcool. Dados do Lenad apontam, por exemplo, que 10,3% dos homens jovens (menos de 30 anos de idade) que são bebedores problemáticos andam armados – essa proporção é de 5% na população em geral. Os casos de envolvimento em brigas com agressões físicas também disparam com a presença do álcool: de 3% entre os homens na população em geral para 27% entre os que abusam ou são dependentes do álcool.