Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Colesterol bom não necessariamente reduz risco de doenças cardíacas

Pesquisadores analisaram o genoma de aproximadamente 170.000 pessoas

Um artigo publicado nesta quinta-feira na revista The Lancet questionou a ideia de que o aumento do colesterol bom (HDL) no sangue necessariamente diminui o risco de uma pessoa sofrer um ataque cardíaco. O trabalho observou que indivíduos com determinadas variações genéticas que levam ao aumento do HDL no organismo não correm menos riscos de sofrerem um problema no coração. O estudo foi desenvolvido por pesquisadores de diversas instituições de ensino, entre elas o Hospital Geral de Massachusetts, a Universidade da Pensilvânia e a Faculdade de Saúde Pública de Harvard, todas nos Estados Unidos.

Saiba mais

POR QUE O HDL FAZ BEM?

A HDL impede que a LDL forme placas de gordura nas artérias que dão origem à aterosclerose, diminuindo ou obstruindo o fluxo sanguíneo, provocando infartos ou derrames. As pessoas podem aumentar seus níveis de HDL alterando o estilo de vida: é preciso se manter dentro do peso ideal, consumir alimentos saudáveis, abandonar ou evitar o tabagismo e praticar exercícios. Segundo a American Diabetes Association, os níveis de HDL devem ser de pelo menos 50 miligramas por decilitro de sangue nas mulheres e de 40 nos homens.

De acordo com autores da pesquisa, embora vários estudos feitos nas últimas décadas tenham confirmado que o aumento do colesterol ruim, o LDL, no sangue de fato aumenta o risco de uma pessoa ter doença cardíaca, os efeitos do HDL ainda não são totalmente claros. Os pesquisadores explicam que diversos trabalhos apontaram para os efeitos benéficos do HDL ao coração, mas nenhuma abordagem genética confirmou essa associação.

Os pesquisadores analisaram o genoma de aproximadamente 170.000 pessoas e observaram as variações nos genes que fazem com que o corpo regule de maneiras diferentes os níveis de HDL no sangue.

Eles observaram, por exemplo, que indivíduos com uma dessas variações tinham níveis de HDL no sangue cerca de 10% maiores. Esse aumento de colesterol significaria, segundo teorias atuais, uma redução de 13% nos riscos de doença cardíaca. No entanto, os pesquisadores não encontraram diferenças na incidência desses problemas entre esses pacientes e o restante.

Contudo, para os autores do estudo, esses resultados não descartam capacidade de o HDL servir como um marcador biológico para doenças cardíacas. Ou seja, os níveis do colesterol no sangue ainda podem ajudar a prever a probabilidade de uma pessoas ter problema. “Sabemos que o HDL é um importante e útil biomarcador de ataques cardíacos, por exemplo. Mas nós mostramos que não se pode presumir que a elevação de HDL necessariamente ajudará os pacientes”, afirma Sekar Kathiresan, um dos autores da pesquisa.

  • Causas e sintomas
  • Prevenção e tratamento

Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do Hospital HCor. Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do Hospital HCor. Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do Hospital HCor. Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Quais são os principais problemas cardíacos?

Como se caracterizam os principais problemas cardíacos?

O que é mal súbito?

(Fabiano – Colombo/Paraná)

Quais são as principais causas dos problemas cardíacos?

Quais problemas cardíacos são congênitos?

Quais são os problemas congênitos mais comuns?

O sal ajuda a controlar a pressão arterial?

Por que hoje os problemas no coração são a causa número 1 de mortes?

Quem tem colesterol alto tem mais chances de sofrer problemas cardíacos?

(Paula Estevam – São Paulo – SP)

Quais sinais podem indicar problemas no coração?

  • Quais são os principais problemas cardíacos?
  • Como se caracterizam os principais problemas cardíacos?
  • O que é mal súbito?

    (Fabiano – Colombo/Paraná)

  • Quais são as principais causas dos problemas cardíacos?
  • Quais problemas cardíacos são congênitos?
  • Quais são os problemas congênitos mais comuns?
  • O sal ajuda a controlar a pressão arterial?
  • Por que hoje os problemas no coração são a causa número 1 de mortes?
  • Quem tem colesterol alto tem mais chances de sofrer problemas cardíacos?

    (Paula Estevam – São Paulo – SP)

  • Quais sinais podem indicar problemas no coração?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

A partir de que idade é preciso fazer exames e quais devem ser feitos?

(André Luis Silva, Caldas Novas – GO)

Quem é obeso deve procurar um cardiologista?

Que tipo de alimentação pode diminuir as chances de problemas cardíacos?

Quais os alimentos mais prejudiciais ao coração?

Como calcular corretamente a frequência cardíaca para a prática de exercícios físicos?

(Mel Falcão – Feira de Santana – BA)

Que tipo de cuidados as pessoas que já têm problemas cardíacos precisam ter?

Quem tem problemas cardíacos pode praticar esportes?

O que fazer para baixar ou aumentar a pressão arterial em situações de emergência?

Como ajudar uma pessoa que está sofrendo um ataque cardíaco?

  • A partir de que idade é preciso fazer exames e quais devem ser feitos?

    (André Luis Silva, Caldas Novas – GO)

  • Quem é obeso deve procurar um cardiologista?
  • Que tipo de alimentação pode diminuir as chances de problemas cardíacos?
  • Quais os alimentos mais prejudiciais ao coração?
  • Como calcular corretamente a frequência cardíaca para a prática de exercícios físicos?

    (Mel Falcão – Feira de Santana – BA)

  • Que tipo de cuidados as pessoas que já têm problemas cardíacos precisam ter?
  • Quem tem problemas cardíacos pode praticar esportes?
  • O que fazer para baixar ou aumentar a pressão arterial em situações de emergência?
  • Como ajudar uma pessoa que está sofrendo um ataque cardíaco?

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.