Chocolate ajuda a melhorar memória e raciocínio de idosos, diz pesquisa

Produtos ricos em cacau, que possuem alto teor de um composto antioxidante, podem ajudar pessoas que já apresentam comprometimento cognitivo

Um estudo feito na Universidade de Áquila, na Itália, mostrou que o chocolate e outros produtos derivados do cacau podem melhorar a memória e o raciocínio de idosos que já possuem a cognição comprometida. Segundo os pesquisadores, esse efeito benéfico se deve à presença de flavonoides – composto com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que também pode ser encontrado em frutas vermelhas, uvas e vinho tinto – nesses alimentos. O trabalho foi publicado na última edição do periódico Hypertension, da Associação Americana do Coração.

Saiba mais

COGNIÇÃO

Conjunto de processos mentais usados no pensamento, na percepção, na classificação, no reconhecimento, na memória, no juízo, na imaginação e na linguagem. O comprometimento cognitivo é uma das características mais importantes da demência, como na doença de Alzheimer.

COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE

É o período de transição entre o quadro de envelhecimento normal e o diagnóstico de demência, que é a diminuição da função mental e comprometimento da memória, do pensamento, da capacidade para aprender e do juízo.

Foram selecionados para a pesquisa 90 idosos maiores do que 70 anos que sofriam de comprometimento cognitivo leve. Durante oito semanas, eles consumiram diariamente uma quantidade alta (990 miligramas), média (520 miligramas) ou baixa (45 miligramas) de um achocolatado com alto teor de cacau misturado ao leite. Quanto mais amargo é o chocolate, ou seja, quanto maior é a presença de cacau, mais flavonoides ele tem. Fora essa bebida, os participantes não deveriam ingerir mais nenhum alimento rico no composto.

Leia também:

Comer chocolate todos os dias reduz risco de ataque cardíaco e AVC, diz pesquisa

Frutas vermelhas retardam processo de declínio cognitivo em até 2,5 anos

Após avaliarem a função cognitiva dos idosos, os pesquisadores observaram que aqueles que consumiram quantidades alta e média do achocolatado, em comparação com o restante dos participantes, tiveram uma melhora nos reflexos, na capacidade de realizar mais de uma atividade ao mesmo tempo, na memória verbal e na de trabalho (ou a curto prazo, que permite o armazenamento temporário de informações). Além disso, os indivíduos que ingeriram as maiores quantidades da bebida se saíram melhor em testes que avaliaram o raciocínio.

Outros benefícios – Os autores do estudo também concluíram que o grupo que consumiu mais cacau teve uma melhora na resistência à insulina e nos níveis de pressão arterial. “Esse estudo fornece evidências encorajadoras de que produtos a base de cacau, ricos em flavonoides, desde que aliados a uma dieta equilibrada, podem melhorar a cognição de idosos. Podemos dizer que isso se deve, em grande parte, à melhora da resistência à insulina”, diz o coordenador do estudo, Giovambattista Desideri. “Porém, ainda não está totalmente claro se esses benefícios em relação à cognição são diretamente uma consequência do cacau ou se são provocados por uma melhora da saúde cardiovascular”.

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.