Castanha de cotia pode ser mais saudável do que as demais castanhas

Primeiro estudo feito com o fruto típico do Norte mostrou que ele apresenta grandes quantidades de nutrientes antioxidantes

A castanha de cotia, fruto encontrado na região Norte do país, possui as mesmas propriedades nutricionais de outros frutos mais conhecidos, como a castanha-do-pará e a noz comum, mas também apresenta maiores quantidades de certos nutrientes benéficos à saúde, como o ácido graxo ômega-9 e a vitamina E, que têm ação antioxidante. A descoberta faz parte de uma pesquisa feita pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) que, pela primeira vez, estudou as propriedades nutricionais dessa castanha, que ainda não é facilmente encontrada nas regiões Sul e Sudeste do país. A castanha de cotia também pode ser considerada um alimento funcional, tendo capacidade de prevenir doenças como as cardiovasculares, as neurodegenerativas e as inflamatórias – e passa a ser candidata a se tornar a nova queridinha das dietas antienvelhecimento.

Castanha de cotia
Crédito: Tainara Costa

Castanha de cotia
Crédito: Tainara Costa (VEJA)

A autora do estudo, Tainara Costa Singh, mestre em Engenharia e Ciência de Alimentos pela Unesp, explica que os benefícios da castanha de cotia somente podem ser obtidos se o alimento, ou o óleo extraído dele, forem ingeridos in natura. “Quando torrada, forma comum de consumo na região Norte, a castanha perde propriedades nutricionais”, disse ao site de VEJA. Ainda segundo Singh, é comum, nos estados da região, o uso do óleo da castanha de cotia no preparo de alimentos, substituindo outros óleos, como o de girassol, por exemplo.

Leia também:

Comer peixe, linhaça e castanha diminui risco de Alzheimer

Comer nozes ajuda a prevenir o câncer de mama

No entanto, como explica a autora, esse estudo não olhou para a possível presença de substância tóxica na castanha de cotia e nem para os efeitos adversos que podem ser apresentados pelo seu consumo excessivo. A castanha-do-pará, por exemplo, é considerada saudável, já que tem grande quantidade de selênio, mineral benéfico aos neurônios. Quando consumida em excesso, entretanto, ela pode ser tóxica e provocar sintomas como dores de cabeça.

A pesquisa – Nesse estudo, foram analisadas e comparadas as propriedades nutricionais de seis alimentos diferentes: a castanha de cotia, a castanha-do-pará, a castanha-do-gargueia, a castanha-sapucaia, a noz comum e a noz pecan. Os resultados foram apresentados recentemente no 23º Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, em Campinas e a pesquisa foi aceita para publicação na Revista do Instituto Adolfo Lutz (IAL).