Café pode reduzir riscos de câncer de pele

Quanto maior o consumo de café, menor os riscos de desenvolver câncer de pele do tipo carcinoma basocelular

Quanto maior a ingestão de café com cafeína durante o dia, menores os riscos de desenvolver carcinoma basocelular, tipo de câncer de pele mais comum e menos agressivo. A descoberta, feita por pesquisadores da Universidade de Harvard, foi publicada no Cancer Research, um periódico da Associação Americana para a Pesquisa em Câncer.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Increased Caffeine Intake Is Associated with Reduced Risk of Basal Cell Carcinoma of the Skin

Onde foi divulgada: periódico Cancer Research

Quem fez: Jiali Han e equipe

Instituição: Escola de Medicina da Universidade de Harvard

Dados de amostragem: 112.897 participantes

Resultado: Quanto maior o consumo de café (ou outras bebidas cafeínadas), menores as chances de desenvolver o carcinoma basocelular, um tipo comum e menos agressivo de câncer de pele. O café sem cafeína, no entanto, não foi relacionado com o efeito protetor contra esse tipo de tumor.

Leia também:

Exercício físico e cafeína reduzem risco de câncer de pele por exposição ao sol

“Não recomendaria, no entanto, o aumento no consumo de café com base apenas nesses dados”, diz Jiali Han, da Escola de Medicina de Harvard e responsável pela pesquisa. A descoberta engrossa a lista de condições que têm o risco reduzido com o consumo regular de cafeína – entre elas, estão o diabetes tipo 2 e a doença de Parkinson.

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer de pele mais diagnosticado nos Estados Unidos – país onde foi realizado o estudo. “Dado o grande número de novos casos, uma mudança na dieta que tenha quaisquer efeitos protetores pode ter um impacto importante na saúde pública”, diz Han. No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), 70% dos mais de 134.000 novos casos de câncer de pele não melanoma que devem ser diagnosticados em 2012 serão do tipo carcinoma basocelular.

Pesquisa – No levantamento, foram analisados dados de 112.897 participantes, dos quais 22.786 desenvolveram carcinoma basocelular durante os mais de 20 anos de acompanhamento. Uma associação inversa foi observada entre o consumo de café e os riscos para a doença – o café descafeinado, no entanto, não foi associado com a redução dos riscos. “Esses resultados sugerem que é o café com cafeína o responsável pela redução nos riscos de carcinoma basocelular”, diz Han. “Isso seria consistente com dados já publicados sobre pesquisas animais, que indicam que a cafeína pode bloquear o desenvolvimento de tumores na pele.”

Em contraste às descobertas, tanto o consumo de café ou somente o da cafeína (em chás, por exemplo) não foram associados com duas outras formas de câncer de pele mais letais – melanoma e carcinoma de células escamosas. No grupo estudado, houve 1.953 casos de carcinoma de células escamosas e 741 de melanoma. “É possível que esses números sejam insuficientes para quaisquer associações com o consumo de café”, diz Han.