Alimentação rica em carboidratos e doces eleva risco de câncer de mama

Segundo pesquisa feita com mais de 300.000 mulheres, dieta com alta carga glicêmica eleva chance de um tipo da doença menos comum, porém mais nocivo

Uma dieta com alta carga glicêmica, ou seja, rica em alimentos que provocam rapidamente um pico de açúcar no sangue, como carboidratos e doces, pode aumentar o risco de uma mulher ter uma forma menos comum, no entanto mais agressiva, de câncer de mama. Essa é a conclusão de uma pesquisa desenvolvida na Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, que fica na cidade francesa de Lyon, e publicada na edição de agosto do periódico The American Journal of Clinical Nutrition.

Saiba mais

ALIMENTAÇÃO COM ALTA CARGA GLICÊMICA

Inclui alimentos que aumentam rapidamente as taxas de açúcar no sangue, como carboidratos processados, açúcar branco, frutas em calda enlatadas, farinha branca, batatas e pães, por exemplo. É deficiente em alimentos integrais, ricos em fibras.

O estudo se baseou em dados aproximadamente 335.000 mulheres de 34 a 66 anos de idade, que foram acompanhadas pelos pesquisadores ao longo de 12 anos. Durante esse período, 11.576 participantes foram diagnosticadas com câncer de mama. Quando os autores analisaram o risco da doença de maneira geral, eles não identificaram associação com uma dieta de alta carga glicêmica. No entanto, quando eles olharam apenas para pacientes que já haviam passado pela menopausa e para um tipo específico do câncer, o ER-negativo, uma alimentação rica em doces e carboidratos elevou o risco da doença em 36%. Esse tipo de câncer de mama atinge uma em cada quatro mulheres com a doença e costuma ter um prognóstico pior pois, além de crescer mais rapidamente, não é sensível aos tratamentos com hormônios.

Leia também:

Novo medicamento reduz efeitos colaterais no tratamento do câncer de mama

Droga usada contra o diabetes pode reduzir risco de câncer

Inimiga – Os autores desse estudo explicam que uma alimentação que aumenta o índice glicêmico está associada a maiores níveis de insulina, hormônio que regula açúcar no sangue. E, de acordo com eles, grandes quantidades de insulina vêm sendo ligadas à incidência de certos tipos de câncer por algumas pesquisas, possivelmente pelo fato de que o hormônio é capaz de ajudar os tumores a crescerem.

Clique nas perguntas para saber mais sobre câncer de mama:

Dr. Antonio Wolff

O oncologista Antonio Wolff é especialista em câncer de mama. Está começando um projeto de pesquisa com 8.000 mulheres, que fará testes com dois remédios – trastuzumabe e lapatinibe. Os primeiros resultados deverão começar a aparecer em dois anos.

Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Wolff é pesquisador da Universidade Johns Hopkins há doze anos. Ali, atende pacientes duas vezes por semana e estuda, faz pesquisas, dá palestras. Seu foco é no que pode ser feito para melhorar a vida do paciente.

Prevenção Quais são os sintomas do câncer de mama? O autoexame é eficaz?

Vídeo

Há alguma mudança em hábitos de vida que previnem o câncer de mama?

Vídeo

A mastectomia preventiva é válida como prevenção? Quais são os critérios que devem ser levados em conta antes de se submeter a uma cirurgia do tipo?

Vídeo

É verdade que alguns hormônios podem estimular o crescimento de tumores? Quais são as consequências disso para o cotidiano das mulheres, que deixam de fazer reposição hormonal?

Vídeo

Qual a necessidade de fazer mamografia? Porque ainda não inventaram um método melhor, menos doloroso?

Vídeo

Tratamento O citrato de tamoxifeno é um remédio ainda utilizado nos EUA?

Vídeo

É verdade que a radioterapia pode não ajudar em nada – e até prejudicar?

Vídeo

Por que medicamentos iguais não funcionam da mesma forma para todas as pessoas?

Vídeo

Qual o risco do câncer voltar mais forte e em outros lugares do corpo após o término do tratamento?

Vídeo

Existem medicamentos para diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia?

Vídeo

Perguntas gerais Por que o câncer de mama é menos frequente nos homens?

Vídeo

Há registros de doentes que se curaram por completo após uma metástase e é possível uma sobrevida acima de cinco anos?

Vídeo

É possível participar das pesquisas conduzidas na Universidade Johns Hopkins?

Vídeo

Quais as probabilidades dos filhos de uma pessoa com câncer também desenvolverem a doença? E o que fazer para evitar?

Vídeo

Quais as chances de ter uma vida normal após o câncer?

Vídeo