Vice-presidente da Mendes Júnior promete se entregar

Em férias com a família, Sérgio Cunha Mendes soube de mandado de prisão e irá se encaminhar para a sede da Polícia Federal em Curitiba (PR)

O vice-presidente da construtora Mendes Júnior, o empresário Sérgio Cunha Mendes, deve se entregar à Polícia Federal ainda nesta sexta-feira. Em nota enviada pela assessoria de imprensa da empresa, ele afirmou que estava de férias com a família quando soube do mandado de prisão e “tomou providências para se apresentar à Polícia Federal em Curitiba (PR)”. Cunha Mendes é um dos quatro executivos que tiveram a prisão preventiva decretada durante a sétima fase da operação Lava Jato deflagrada pela PF nesta sexta-feira. Outros 14, entre eles o ex-diretor de serviços da Petrobras, Renato de Souza Duque, tiveram prisão temporária decretada. Policiais federais fizeram busca e apreensão na sede da construtora e na casa de Mendes.

Leia também:

MPF rastreia dinheiro desviado da Petrobras no exterior

O que dizem as empresas investigadas pela PF

Entenda a Operação Lava Jato da Polícia Federal

Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro das Cidades Mário Negromonte, e o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB no esquema do petrolão, são considerados foragidos pela PF, que acionou a Interpol para localizá-los. A Justiça expediu mandado de prisão para ambos, mas eles não foram localizados pelos agentes.

A operação desta sexta se deu a partir da análise do material apreendido até aqui e dos depoimentos colhidos nas fases anteriores da investigação. Ao todo, foram expedidos 85 mandados: quatro de prisão preventiva, 10 de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 49 de busca e apreensão no Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, além do DF.

A Justiça ainda decretou o bloqueio de 720 milhões de reais em bens de 36 investigados. Também foi autorizado o bloqueio integral de valores de três empresas que pertencem a um dos operadores do megaesquema de corrupção investigado pela Lava Jato. Os envolvidos serão indiciados pelos crimes de organização criminosa, formação de cartel, corrupção, fraude à Lei de Licitações e lavagem de dinheiro.