Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Suco de maracujá na Comissão do Impeachment

Os garçons que trabalham na Câmara dos Deputados estão servindo suco de maracujá aos parlamentares da comissão especial do impeachment nesta segunda-feira, a pedido do presidente do colegiado, Rogério Rosso (PSD-DF). A intenção é acalmar os ânimos após uma série de embates entre governistas e oposicionistas na semana passada. Normalmente, servem-se água e cafezinho aos parlamentares, mas hoje as bandejas circularam com copos de plástico contendo o refresco oferecido pelo presidente da comissão – e, ao que parece, não sem razão. A bancada do PT anunciou que vai recorrer ao plenário da Câmara para suspender o funcionamento da comissão depois de Rosso rejeitar questões de ordem que paralisavam os trabalhos e pediam mais prazo para a defesa ou que a comissão aguardasse o julgamento das pedaladas fiscais de 2015 pelo Tribunal de Contas da União. Já o deputado Alex Manente (PPS-SP) tentou impugnar o ato de defesa de Dilma pela Advocacia-Geral da União, previsto para a reunião desta segunda. Ele alega que o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, que assessora a presidente em assuntos jurídicos, só pode auxiliar Dilma em assuntos de interesse da União, e não de interesse pessoal, como a denúncia por crime de responsabilidade. Ele pediu que Rosso indicasse um advogado entre os parlamentares, para que ela não fique sem defensor. O presidente da comissão rejeitou a questão de ordem e disse que cabe a Dilma decidir por quem será representada. Conforme Rosso, a AGU representa judicial e extrajudicialmente presidentes e ex-presidentes da República – e de outros poderes, assim como servidores – em atos que cometeram no exercício do mandato. A julgar pelos bate-bocas ao longo desta tarde, o maracujá se faz necessário. (Felipe Frazão, de Brasília)